Manual de Utilizador SPV

Objetivos e Âmbito

Os procedimentos descritos de seguida referem-se às etapas do SPV -Serviço pós-venda.

O numero de espaço de picking será igual à soma do numero de lojas com o número de FAT (Fornecedores de assistência Tácnica) Ao iniciar verificar se a zona onde os artigos vão ser armazenados estão parametrizados para multi-artigo. (AL100). Escolher o estabelecimento e listar a zona.

Modificar a zona que pretendemos, ou o corredor para multi-artigo. E Guardar. IMPORTANTE:

Verificar se o comprimento do campo de artigo é pelo menos 7. Caso não seja ir ao IG002 e alterar.

Artigos – Dados Logísticos [AD014]

Selecção de dados. Escolher os artigos que já existem como SPV e listar.

Escolher um artigo que seja parecido, da mesma loja ou para o mesmo fornecedor. Por exemplo o código 4701, significa que o fornecedor de assistência técnica (FAT) tem o código 47, e a mercadoria virá da loja 01 e depois de reparado será novamente enviado para a loja 1.

Escolhemos um artigo e fazemos “Copiar”.

Colocamos o código que queremos criar, neste exemplo será o código 30101. Significa que o FAT é o 301 e será mercadoria proveniente da loja 01. “Aceitar”

Seleccionar OK.

O código está criado, agora temos de definir todos os dados associados a este artigo. Escolher o artigo e clicar no botão Dados Logísticos.

Selecionar a linha e escolher MODIFICAR

E Escolher a unidades de medida nos processo que vão ser utilizados neste artigo. Em caso de dúvida pode escolher todos os processos.

Voltar a menu da lista dos artigos, escolher a linha do artigo, e clicar no botão Unidade de Medida.

Colocar as medidas em Cm e Gr, como estas caixas vão ter medidas variadas, pordemos colocar todos com 1 unidade.

Selecionar o artigo que estamos criar
Dados Logísticos.

Seleccionar a linha e clicar no botão dos “Contentores”

Vamos criar, clicando na folha em branco.

Escolher que tipo de contentores vamos criar, neste exemplo, recepção e escolher qual o contentor.
Como vai ficar na mezanine, podemos escolher o contentor com altura 45 cm e colocar o lastro e a sobreposição. Fazer OK.

Temos de criar duas sequências de arrumação. A primeira quando o artigo vem da loja para o FAT e a segunda sequência para quando o artigo vem do FAT para a Loja. Sequência 10, Picking e Corr. Motivo de atribuição : Normal

Aceitar, e abre uma nova sequência.

Fazer exactamente o mesmo. Aceitar. Sair com a seta para a esquerda.

Voltar para esquerda. Criar o contentor de execução.

Preencher todos os campos. “Aceitar”.

O WPMS vai directamente para o menu seguinte, colocar as sequências na mesma lógica da recepção.

Aceitar, e preencher os campos para a sequência seguinte.

Aceitar e voltar para a esquerda. Voltar à esquerda novamente. Neste menu vamos escolher as localizações do artigos.

“Criar”.

A Sequência “1” é o espaço que o artigo vai ocupar quando fica á espera de ir para o FAT.

Este espaço deve ser dado a todos os artigo que iniciem com 301, significa que o Fornecedor de assistência técnica é o 301.

Depois de confirmar os dados, criar mais uma sequência.

A sequência “2” será o espaço que o artigo depois de estar reparado, fica antes de ir para a loja.
Ou Seja todos os artigos que terminem com “01” deverão ter este espaço. Provavelmente este espaço já tem outro artigo atribuido. Porque todos artigos da loja 1, ficarão neste espaço enquanto ficam a aguardar que chegue o FAT. Clicar Ok.

Criar Fornecedor de Assistência Técnica

O artigo está criado, basta ligar o código do Fornecedor ao Artigo. Sair deste menu. Escolher (AD001)

Criar clicando no botão folha branca.

Colocar todos os campos relevantes do fornecedor.

“Aceitar”. Seta para a esquerda se não quiser criar mais nenhum.

Depois de criado o Fornecedor, vamos ligar o fornecedor ao artigo. Na barra principal do AD001, Com o código do fornecedor escolher “Artigos comercializáveis com o Terceiro”.

Criar.

Colocar o artigo ligado a este fornecedor. “Aceitar”.

Escolher a linha seleccionada e definir as unidades de medida.

Criar com o botão “Folha branca”.

Sair caso não se queira criar mais nenhum artigo. Se voltarmos aos dados mestre do artigo, e clicarmos no botão fornecedor, tem de ter a linha criada.

e mostra as unidades de manuseamento.

DEFINIÇÃO DE UTILIZADORES

Escolher (IS001)

Colocar o código do operador que vai realizar estas tarefas. Aceitar.

Modificar, e colocar os respectivos menus.

Criar UDT (AL117)

Visualizar

Determinação da UDT (AL092)

Escolher a linha

Visualizar

Criar o Tipo de Documento SPV (AL108)

Podemos consultar, para verificar como foi criado.

Criar numeração do documento interno (AL024)

Neste exemplo, já existe o tipo de documento, mas se tivessemos de criar, escolher o botão “Criar”.

Criar a Lista de tipos de documentos (AL013) Neste exemplo já estão criado.

Podemos consultar cada uma das classes.

S2

S3

S4

Parametrizar os documentos de reparação

Ir à Lista de definições dos movimentos diversos (AL008).

Criar a definição.

Escolher a linha e escolher o botão de “Estados visualizados”.

Escolher a classe S1.

E podemos verificar que na Recepção da loja, a classe S1 está criado.

Voltar ao menu principal e escolher


Voltar ao menu anterior, seleccionar a mesma linha e escolher tipos de artigos visualizados. Voltar ao

Voltar ao menu principal Escolher estados visualizados.

e voltar ao menu e escolher

Voltar ao menu

escolher estados visualizados.

voltar ao menu, escolher artigo

SPV – RADIO-FREQUENCIA

A encomenda é enviada via MBS para o WPMS. O Operador que estiver definido com menu SPV ao colocar o seu código. De imediato aparece o menu de SPV.

Escolher SPV RF. Com o PDT ler o código de barras do número do processo.

Confirmar dados

Neste menu Mostra todo o detalhe do Processo à entrada da Loja (S1). O Operador tem de levar o artigo para o Picking que mostra o menu.

QUANDO O FORNECEDOR FAT CHEGA S2

Quando o fornecedor está no armazém, deve ir ao espaço de picking do fornecedor, Voltar ao menu SPV.

Escolher Menu SPV

Ler o código com o numero do Processo

Confirmar dados.

Mostra o detalhe do processo. Está na fase S2, saida do armazém para o fornecedor.

ENTREGA DO FORNECEDOR PARA O ARMAZÉM

Voltar ao menu do SPV RF

Seleccionar o menu SPV

E informa qual o local de picking que deve o artigo ficar a aguardar até que haja novo pedido para a loja correspondente.

No menu AL063, reservas de expedição. Existe uma imagem que informa que existe mercadoria de FAT a ser devolvida à loja.

Para enviar para a loja, voltar ao Menu SPV

Colocar o numero do Processo. Confirmar dados.

Neste menu mostra todos os dados do artigo e para onde tem de ir LOJA 01, Confirmar após de colocar a mercadoria na zona de expedição para a loja 1. Está concluído o processo SPV para um artigo.

Impressões Locais

Objectivos e Âmbito

Possibilitar a criação de impressões locais, sendo assim possível criar novas impressões customizadas pelo utilizador que irão sobrepor-se aquelas já existentes.

Para que isto seja possível terão de ser criadas impressões locais, assim como as suas definições que iremos explicar mais a frente neste manual.

Em termos conceptuais uma impressão no WPMS é composta por um Report, onde se define como se vai obter os dados a colocar na impressão e se define o layout da impressão. Num segundo passo o Report é usado como elemento central da definição dos restantes elementos de uma impressão, nomeadamente elementos mais relacionados com a formação, como o tipo de papel, margens, orientação da impressão, etc.

Neste contexto, também trataremos neste manual como proceder para criar um Report.

Criar Reports locais ( ponto de vista do utilizador)

Instalação -> Adaptações Locais -> Reports Locais [IG021]

Ao seguir o caminho apresentado em cima, irá surgir um ecrã de selecção como o que é apresentado em baixo.

Neste ecrã poderá listar todos Reports Locais que estão gravados no sistema, ou então poderá criar um Report Local novo.

De seguida vamos enumerar todos os passos que são necessários a criação de um Report Local.

Ao clicarmos no botão Criar , irá aparecer um novo ecrã para a criação de um novo Report.

Algumas definições a ter em conta aquando a criação de um novo Report:

  • Tipo de report -> Existem diferentes tipos de Reports como pode observar através do botão de selecção, dentro dos que poderá seleccionar deverá ignorar os reports com escolha visto que se trata de uma impressão e como é evidente não terá nenhuma escolha possível, os reports de input também não devem ser levados em conta, como estamos a tratar de impressões, o tipo de report a ser escolhido deverá ser Impressão
  • Função visualização -> Como o report vai ser mostrado no ecrã, pelo mesmo motivo indicado acima deverá ser escolhido o Browser Standard para Listas
  • Numero Linhas por Página -> Quantidade de linhas para apresentar no Report por página
  • Processo Túnel -> Report que faz parte de um processo que não pode parar. Não se aplica nas impressões
  • Actualização Automática -> Define se a informação do report é actualizada dinamicamente. Não se aplica nas impressões

Depois de preenchido todos os campos, sem esquecer de dar um nome ao report, temos o nosso report criado e aparecerá na lista de Reports Locais.

De seguida devemos dar uma descrição uma descrição ao Report, para isto bastará clicar no botão descrições, e o seguinte ecrã aparecerá.

Chegados a este ecrã deverá ser colocado a língua da descrição, depois deve ser colocado o tipo de descrição desejada para o Report e por fim o texto da descrição. No caso das impressões deverá ser preenchido o tipo de descrição “Descrição”.

Depois de guardar a descrição devemos colocar qual vai ser o método de leitura que deverá preencher os dados do report.

Para isto deve-se clicar no botão . O ecrã seguinte irá aparecer.

Aqui estará a futura lista de métodos/objectos que irão alimentar o nosso Report. Para criar uma ligação entre o report e o método de leitura vai clicar , e o seguinte ecrã irá aparecer.

Neste ecrã irá ser escolhido o objecto método que irá preencher o nosso Report, ou então em alternativa poderá ser escolhido um Source Local.

No caso de ser escolhido um objecto método deverá escolher a opção acesso aos dados já que iremos necessitar dos dados para preencher os nosso report.

Mais a frente iremos explicar como criar um Source Local.

Neste caso foi inserido um Source Local como método de leitura para o report como se pode ver na imagem seguinte.

No passo seguinte para a criação do nosso report, temos criar os níveis do report. São estes que irão definir os estilos do Report, sendo obrigatório que cada coluna do report esteja associada a um nível.

Clicando no botão iremos ver a listagem de níveis. Neste caso como é um report acabado de ser criado ainda não tem qualquer nível listado.

Neste ecrã ao clicar no botão , irá ser possível visualizar o seguinte ecrã.

Neste ecrã é preciso ter em conta a Área que nos diz se as colunas deste nível irão ser colocadas no cabeçalho, ou nos detalhes do Report e a disposição do nível se será standard ou será um grupo a parte, o resto são definições de estilo, que devem ser preenchidas conforme o desejado.

Ao acabar de colocar as definições desejadas e guardar irá ser criado um novo nível, este irá estar disponível na listagem que vimos anteriormente.

Neste momento temos tudo o que é necessário para a criação das colunas do Report. Todos os dados que o método de leitura envia vão servir para preencher essas mesmas colunas que iremos riar de seguida, para isso teremos que seleccionar o botão .

Uma lista em branco aparecerá como aconteceu anteriormente.

Irá ter de criar as colunas, e como anteriormente terá de aceder ao botão , só report para criar as colunas irão posteriormente ser imprimidas.

Este ecrã está dividido em duas partes, a parte de visualização, e a de Origem de dados.

Na parte de visualização teremos de definir em que Área os dados irão ser mostrados, quer seja cabeçalho ou detalhes, também deve ser colocado o nível criado anteriormente, em que linha do Report estes serão colocados assim como em que sequência, define-se ainda o comprimento do campo. Estes dois últimos campos irão definir qual a disposição das colunas e o seu tamanho na impressão.

O campo editação só deve ser usado para editar datas e horas, para colocar as horas e as datas no formato pretendido.

No modo de visualização, será seleccionado o tipo de visualização para este campo no Report, quer seja escondido, protegido ou um campo de inserção de dados.

Quanto ao tipo de coluna, deve ser seleccionado o género de coluna, pode variar desde um campo de selecção, janela ou texto entre muito outros, em caso de ser escolhido um campo de selecção pode ser definido o tipo de lista a aparecer, se queremos que só apareçam códigos, descrições ou código e descrição. Ao seleccionar o tipo de coluna devemos ter em conta que esta vai influenciar também o modo como são visualizados os parâmetros de selecção, no ecrã de selecção.

Esta coluna também poderá ter links e para isso devemos colocar a acção que o link deverá fazer.

Na segunda parte deste report iremos dizer qual a origem dos dados que iremos alimentar esta coluna e para isso vamos escolher qual a sequência do método que indicamos anteriormente como método de leitura, e qual o elemento do método que vai alimentar a coluna.

Para finalizar a construção do report só nos falta definir os parâmetros de recepção que devem ser enviados para o report para este conseguir apresentar dados filtrados.

Para isso no menu da listagem de Reports deve clicar no botão . Como se trata de um novo Report a lista de parâmetros aparece vazia,

para podermos inserir os parâmetros desejados devemos clicar no botão , que se encontra no canto inferior esquerdo do seu ecrã, e serão mostrados alguns campos onde poderá colocar os seu parâmetros.

No primeiro campo deve inserir o parâmetro que deseja que filtre os dados do Report, no segundo deve seleccionar só se esse parâmetro for um parâmetro obrigatório para a visualização do report, e por fim no ultimo campo deve colocar a coluna correspondente a esse mesmo parâmetro.

Os parâmetros escolhidos devem ser os mesmo que serão necessários ao método de leitura do report. Por outro lado parâmetros que estejam ligados a colunas que se encontrem no cabeçalho só irão permitir a introdução de um valor para o parâmetro, já que os valores que se encontram no cabeçalho não permitem que sejam listados, ao contrário dos valores dos detalhes.

Depois de guardar irá ser mostrada uma lista como a que é mostrada em baixo.

Neste momento temos tudo o que é necessário para termos um Report criado.

Criar Sources Locais ( ponto de vista do utilizador)

Agora que criamos um report precisamos de o alimentar e podemos fazer isso de duas maneiras através de métodos/objectos ou então por Sources Locais, que iremos agora mostrar como criar estes Sources Locais.

Instalação -> Adaptações Locais -> Source Local [IG008]

Depois de abrir o report que lista os Sources Locais, como é mostrado em cima, iremos obter uma listagem de sources locais existentes nos sistemas, estes são adaptações locais feitas a medida de cada instalação do sistema.

Nesta lista irá ser mostrado o nome do Source Local a sua descrição assim como o tipo de Source Local, a directoria onde se encontra o script no nosso sistema, o nome do ficheiro que contem o script, e por fim se o source local é válido ou não, ou seja se este se encontra no sistema ou não.

Para criarmos o nosso source local assim como anteriormente devemos clicar no botão , e assim acedemos ao ecrã onde vamos criar o nosso local source.

Aqui temos obrigatoriamente preencher todos os campos, primeiro colocamos o nome do nosso source local que obrigatoriamente tem que ser único, de seguida definimos qual o tipo de source local que queremos criar é aconselhado a escolher preferencialmente o tipo definido pelo utilizador, e para as impressões locais terá de ser esse mesmo a ser escolhido. Depois teremos que colocar a directoria onde vamos colocar o nosso script que no campo seguinte vamos dizer o nome desse mesmo script. Por fim é só guardar.

Para o nosso script ser enviado para o sistema teremos que clicar no botão , e irá ser mostrado o seguinte ecrã.

Neste ecrã apenas terá de fornecer o caminho onde está guardado o ficheiro script que foi criado. Depois basta confirmar e o script será enviado para o sistema.

De seguida será necessário definir os campos que irão alimentar o report, para isso temos o botão .

Uma lista aparecerá nesse momento, para efectuar a inserção colunas que serão enviadas para o Report devemos escolher o seguinte botão .

Neste ecrã podemos definir o nome do elemento do source local, ou seja qual a identificação do elemento que vai alimentar a coluna que foi definida no report anteriormente. Se esse elemento se encontra incluído em alguma tabela deveremos valida-lo na mesma, inserir a tabela no campo Grupo e o elemento no campo elemento se não existir em nenhuma tabela preencher então no campo Elemento Calculado.

Se o elemento que queremos definir, existe numa tabela do sistema e não queremos que a validação seja feita pela mesma tabela, devemos preencher o campo elemento e clicar no grupo definição, então ai os campos vão ficar disponíveis para ser preenchidos, e poderemos definir qual será a nova tabela de validação assim como a nova tabela de descrições dos elementos, ou então escolher que seja um objecto método a validar o elemento. Podemos ainda escolher uma diferente unidade de medida para o elemento.

No fim clicar em guardar e temos o nosso elemento criado. E aparecerá na lista de elementos.

Criar Impressões locais ( ponto de vista do utilizador)

Depois de criado o report e o source que vai alimentar o report, podemos então criar a nossa Impressão Local. Para isso devemos seguir o seguinte caminho.

Instalação -> Adaptações Locais -> Definições Impressões Locais [IG025]

Irá aparecer um ecrã de selecção para escolher a impressão local, mas como o objectivo deste manual é a criação de uma impressão local vamos clicar no botão

Agora devemos preencher este ecrã com o nome da nossa impressão, e a sua descrição, de seguida devemos escolher a função de impressão desejada, neste momento só existe uma por isso é essa que deve ser escolhida, depois escolher qual é o Report Local a ser imprimido, deve escolher qual o estilo da página a imprimir, assim como se deve ser imprimido o titulo que será a descrição que foi colocada anteriormente, e por fim se queremos que seja impresso o numero da pagina.

Depois de preenchidos todos os dados necessários e de confirmar o nossa definição de impressão foi criada.

E de imediato a nossa definição de impressão aparecerá na lista.

Instalação -> Impressões -> Determinação Atributos Impressão Local [IP008]

Neste momento devemos definir alguns atributos para a impressão que criámos, estes atributos podem ser definidos por utilizador, grupo de utilizadores ou ainda por instalação.

Depois de escolher uma das três escolhas, é a necessária ao nosso sistema devemos seguir em frente , para o próximo ecrã.

Aqui então iremos criar , os atributos para a nossa impressão.

Neste ecrã temos vários parâmetros a preencher.

  • Impressão local -> Campo a preencher com o nome da impressão local que se quer criar atributos
  • Utilizador -> Aqui será necessário, colocar neste caso o nome de utilizador a que estes atributos são definidos, este campo também pode ser grupo de utilizadores ou por instalação
  • Ficheiro Backup -> Criar uma cópia de segurança da nossa impressão
  • Imprimir Frente Verso -> Imprimir na parte da frente e na parte detrás da página, isto só funciona com impressoras com capacidade de fazer este processo
  • Imagem Fundo -> Caminho onde está guardada a imagem de fundo para a impressão, se não existe imagem de fundo preencher com “N”
  • Enviar E-mail -> Enviar também um e-mail com a impressão
  • Imprimir Duas Páginas -> Imprimir duas páginas do mesmo lado da folha de impressão
  • Spool Activo -> Usar as impressoras activas para imprimir
  • Número Cópias -> Numero de cópias a imprimir do documento
  • Impressão Imediata -> Imprimir imediatamente o documento
  • Guarda Ficheiro Spool -> Guarda o ficheiro a imprimir na fila de impressão

Depois de escolher as suas opções é só gravar e estamos prontos a imprimir, a nossa primeira impressão local.

Para testar a nossa primeira impressão podemos sempre fazer uma impressão directa através do seguinte caminho

Extra Wpms -> Impressões do Cliente [IG022]

Após escolher a impressão desejada seguir em frente , para o próximo ecrã.

Aqui aparecerão os parâmetros de recepção colocados no report criado anteriormente, escolhemos dentro de operações disponíveis e inserimos o valor necessário e por fim clicar no botão .

Atribuir Impressões locais a Impressões já definidas no Sistema ( ponto de vista do utilizador)

Existe ainda a hipótese de sair uma impressão local em vez de a definida pelo sistema para isso bastam dois passos muito simples.

Primeiro temos de na definição de impressão do sistema.

Instalação -> Impressões -> Determinação Atributos Impressão [IP004]

Ao seguir este caminho deparamos-nos com um ecrã como o que é mostrado em baixo

Neste caso como anteriormente também podemos escolher entre, definições por utilizador, grupo de utilizadores ou instalação

Depois de seguir em frente , aí irá ser possível visualizar uma lista com todas as definições de impressão existentes no sistema.

Deveremos escolher qual a impressão a substituir pela impressão local que queremos, para este utilizador, grupo de utilizadores ou instalação conforme escolhido anteriormente.

No segundo e ultimo passo deveremos seguir o seguinte caminho.

Instalação -> Impressões -> Determinação Impressão Local [IP009]

Assim como anteriormente deve escolher a mesma definição anterior e depois criar uma nova determinação

Neste caso devemos colocar a impressão original em primeiro lugar de seguida o utilizador, grupo de utilizadores ou instalação, conforme foi escolhido no primeiro ecrã, e no fim a impressão local desejada. Basta no fim confirmar.

E cada vez que o utilizador, grupo de utilizadores, ou instalação executar a acção que lança a impressão definida pelo Sistema este verifica que existe uma impressão local definida para substituir a original, e então o sistema imprime a impressão local.

Produtividade Instantânea

Objectivos e Âmbito

Este processo tem como principal objectivo obter uma analise das unidades trabalho que foram ou estão a ser feitas.

Com esta nova função podemos gerir o trabalho de execução e ter uma noção dos tempos necessários para terminar os mesmos, sendo assinalado pelo sistema caso existem atrasos. Como o nome indica, a produtividade instantânea indica-nos no momento o que está a ser realizado num determinado armazém, segundo os critérios seleccionados e por vários indicadores (valores absolutos, percentagens e manómetros).

Como gerar a produtividade Instantânea.

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Estatísticas-> Alimentar Estatísticas ->Produtividade Instantânea [AL238]

Para poder ter uma analise correcta das produtividades é necessário gerar as estatisticas, ou seja, alimentar um suporte ao qual o sistema se baseia para indicar o tempo previsto para fazer as tarefas indicadas.

Essas previsões são baseadas nos valores do período que indicam no ecrã:

Neste exemplo as previsões serão calculadas com base no armazém 5301 nas ultimas 99 horas. Inserir os valores pretendidos e gerar. Numa situação real, cada operação deverá definir o intervalo temporal adequado para recalcular as produtividades por cada tipo de unidade de trabalho. Um valor razoável é de 2 em 2 horas. Para obter este efeito, será necessário criar um agendamento que corra de 2 em 2 horas e que tenha neste ecrã como critério as ultimas duas horas de trabalho efectivo. Deste modo de duas em duas horas, o sistema recalcula o tempo previsto para a execução de cada reserva de expedição, com base nas produtividades obtidas nas ultimas duas horas de trabalho.

Visualizar a produtividade Instantânea

Após ser gerado as produtividades, podemos analisar as previsões a partir do ecrã seguinte.

Existem vários critérios de selecção, se indicarmos por exemplo uma única reserva, o sistema vai nos indicar o tempo previsto para o fim da mesma, caso esta seja executada no momento.

Em principio, a utilização das datas é o factor mais usual para ter uma noção mais abrangente do trabalho que foi, está e será realizado durante um determinado período.

Para se obter a data e hora prevista do fim da execução, é feita a separação das quantidades executadas pelos diferentes tipos de UDTs, depois verifica-se quantos operadores de RF estão efectivamente ligados e as actividades que eles podem fazer. Por fim adiciona-se as produtividades calculadas para cada tipo de UDT para se estimar quanto tempo demorará a executar a quantidade colocada nos documentos de execução.

Claro que quanto mais polivalente forem os operadores pior serão as estimativas dadas por este monitor.

O ecrã anterior exemplifica vários indicadores dos quais vou destacar:

Se passar o rato por cima do ícone aparece “Delay”, ou seja, atraso, significa que segundo a data de expedição a reserva encontra-se atrasada.

Indicador no verde: A produtividade actual encontra-se pelo menos 50% acima da produtividade calculada. Existe também um indicador com 25% acima, com o ponteiro nas 11:00.

Indicador no vermelho: A produtividade actual encontra-se pelo menos 50% abaixo da produtividade calculada, na ultima vez que o calculo ocorreu. Existe também um indicador intermédio para 25% abaixo, onde o ponteiro se encontra nas 14:00.

Indicador no meio: A produtividade actual encontra-se alinhada com a produtividade calculada na ultima vez que esse calculo foi feito.

Reserva Executada

Reserva por Executar

Reserva a Executar

Percentagem da reserva executado

Nota: O sistema só informa das horas e datas previstas caso existem operadores RF a trabalhar.

Excepções Temporárias

Objectivos e Âmbito

Neste manual vamos abordar o tema das Excepções Temporárias.

As Excepções temporárias são, grupos de artigos que tem uma certa quantidade reservada para um determinado período de tempo, isto poderá ser útil certas alturas do ano em que existam promoções de artigos visto que se pode definir data de inicio e fim da excepção, assim como fazer pré-reservas para um cliente.

Como utilizar as Excepções Temporárias

Se desejar abrir o ecrã onde poderá visualizar as excepções temporárias dos artigos deverá seguir o seguinte caminho.

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Definições Operacionais -> Gestão das Excepções
Temporárias [AL203]

Ao entrar no ecrã das excepções temporárias irá ser mostrado seguinte ecrã de selecção;

Aqui o utilizador poderá escolher só visualizar uma ou um conjunto excepções temporárias, mas se desejar visualizar todas as excepções temporárias basta clicar no botão (lista), e o seguinte ecrã irá aparecer:

apresentada uma lista de todas as excepções temporárias existentes no sistema, os agrupamentos de artigos que existem na excepção temporária, data inicio e fim da excepção temporária, se a excepção temporária é válida ou não, e a empresa onde a que o stock pertence, quando preenchida a empresa a reserva de stock teórico irá ser feita em relação a essa mesma empresa, uma excepção temporária só pode pertencer a uma só empresa.

Como Anular as Excepções Temporárias

Se o utilizador desejar anular uma ou mais excepções temporárias, deverá seguir o exemplo em baixo descrito.

Primeiro no ecrã com a listagem de excepções temporárias deverá seleccionar as excepções que deseja que sejam anuladas, de seguida, no menu lista escolher a opção anular.

Ao clicar em anular irá aparecer o seguinte ecrã de confirmação:

Depois se quiser anular confirme clicando na tecla OK, depois irá aparecer outro ecrã de confirmação como mostra a figura seguinte:

Neste ecrã como pode observar, é lhe dito que todas as quantidades para os artigos presentes na excepção ou excepções temporárias irão ser anuladas ou seja deixa de haver reserva de artigos para essa excepção temporária.

Se mesmo assim desejar continuar clique em OK e a sua excepção temporária irá ser anulada.

Visualizar artigos presentes nas excepções temporárias

Para o utilizador conseguir visualizar os artigos que têm excepções temporárias, deve seguir o seguinte caminho no menu:

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Definições Operacionais -> Artigos c/ Excepções
Temporárias [AL286]

Ao seguir este caminho ao utilizador irá ser apresentado o seguinte ecrã de selecção:

Neste ecrã poderá seleccionar um ou mais artigos que quer visualizar, pode também ver todos os artigos sem ter em conta a as quantidades reservadas para isso basta deixar a selecção do campo “Qt. Diferente de 0” como indica a figura, ou se por outro lado quiser ver todos os artigos com quantidades a zero deve mudar a selecção para o meio ou por fim se quiser ver todos os artigos com quantidade superior a zero é so seleccionar o indicador da direita.

Por fim clique no botão (lista) para listar todos os artigos com excepções temporárias:

Uma lista como a anterior será apresentada, nesta lista irá poder observar, o artigo, o número total de excepções onde esse mesmo artigo estará presente, a quantidade total reservada desse mesmo artigo para as excepções onde este está presente, a unidade de medida desse artigo, a data de inicio mais baixa do conjunto de excepções onde o artigo está presente e ainda a data de fim máxima também do conjunto de excepções onde o artigo está presente.

ara ver mais em detalhe um ou mais artigos com a sua correspondente unidade de medida deverá
seleccionar o artigo pretendido ou os artigos pretendidos e clicar no botão (detalhes).

E um ecrã como é apresentado a seguir irá aparecer:

Neste ecrã encontrara a informação mais detalhada acerca das excepções temporárias do artigo, e poderá observar quais são essas excepções onde o artigo se encontra, o estabelecimento dessas excepções, a quantidade reservada desse artigo nesse estabelecimento e a data inicio e fim da excepção.

Se foi seleccionado mais que um artigo, para conseguir navegar entre artigos deverá usar as teclas de navegação que se encontram ao cimo da pagina:

Clicando na seta direita vai ser apresentado o artigo seguinte, na seta a esquerda para o anterior.

Aspectos Técnicos das Excepções Temporárias

De seguida vou explicar os aspectos técnicos da opção anular excepção temporária do menu lista.

Para anular uma excepção temporária foi criada uma mensagem de confirmação avisando que todas as reservas vão ser anuladas.

Para isso foi adicionado a sequência de métodos um novo método chamado confirmArtclExcp, neste método e se após a mensagem o utilizador confirmar a acção, é feita uma leitura a tabela D0313 onde iremos produzir um array para que possa ser chamado o método updExceptionCodeStock; este array irá ser constituído por:

  • index “par”:
    • pelo código da excepção temporária;
    • pelo código do estabelecimento;
  • index “lpar” – preenchido a partir da leitura à tabela D0313:
    • pelo código da excepção temporária;
    • pelo código do estabelecimento;
  • index “fld” – também preenchido a partir da tabela D0313:
    • pelo código da excepção temporária;
    • pelo código do estabelecimento;
    • pelo código do artigo;
    • pela código da unidade de medida;
    • pela “Quantita_mov_UMS1” – que neste caso deve ir a zero;
    • pelo estado aplicativo presente na D0313;
    • pelo campo de “unita_misura_valore”.

Agora que temos os parâmetros todos preparados no array antes criado para enviar para o método
updExceptionCodeStock, este poderá gerar os documentos que irão zerar as quantidades
reservadas para as excepções seleccionadas.

Report dos Artigos presentes em Excepções Temporárias

Para realizar o report que mostra todos os artigos com excepções temporárias, foi criada a vista D0313V02 que faz um join da tabela D0313 com a tabela D0311 a partir do campo “Código de excepção temporária”, esta devolve o código de artigo, o numero total de excepções desse artigo, a soma das quantidades reservadas, o mínimo da data inicio, o máximo da data fim e ainda a unidade de medida. Esta vista tem ainda um group by constituído pelos campos do artigo e da unidade de medida.

Como as quantidades estavam na unidade de medida errada foi criado um método de leitura exceptions2Article, para que as quantidades aparecessem convertidas para o valor certo.

Neste método é feita a leitura a vista anteriormente explicada, e por cada artigo é feita uma chamada a mais dois métodos. O primeiro readFromD0084, que devolve um array com as unidades de medida do artigo que foi enviado como parâmetro, o segundo calcDivMult, que recebe o array anteriormente criado pelo método anterior, a unidade de medida em que se quer converter, e o ‘1’ como ultimo parâmetro, e assim irá devolver o divisor. Então há quantidade recebida da leitura da vista dividimos-la pelo divisor que obtivemos anteriormente e arredondamos os valores de acordo com que a função umD que devolve o arredondamento certo, depois de receber como parâmetro a unidade de medida. Por fim preenchemos o outData correcto para preencher o report.

Report de Detalhe das Excepções Temporárias do Artigo

Para realizar o report que os detalhes das excepções temporárias do artigo, foi criada a vista D0313V03 que faz um join da tabela D0313 com a tabela D0311 a partir do campo “Código de excepção temporária”, esta devolve o código de artigo, o as excepções desse mesmo artigo, as quantidades reservadas, a data inicio e fim, o estabelecimento e ainda a unidade de medida.

Como as quantidades estavam na unidade de medida errada foi criado um método de leitura detailExceptions2Article, para que as quantidades aparecessem convertidas para o valor certo.

Neste método é feita a leitura a vista anteriormente explicada, e por cada artigo é feita uma chamada a mais dois métodos. O primeiro readFromD0084, que devolve um array com as unidades de medida do artigo que foi enviado como parâmetro, o segundo calcDivMult, que recebe o array anteriormente criado pelo método anterior, a unidade de medida em que se quer converter, e o ‘1’ como ultimo parâmetro, e assim irá devolver o divisor. Então há quantidade recebida da leitura da vista dividimos-la pelo divisor que obtivemos anteriormente e arredondamos os valores de acordo com que a função umD que devolve o arredondamento certo, depois de receber como parâmetro a unidade de medida. Por fim preenchemos o outData correcto para preencher o report.

Assinaturas Digitais

Objectivos e Âmbito

Uma das valências proporcionadas pela parametrização do Wpms é a emissão de documentos valorizados (Facturas, Guias de Remessa, etc). Estes documentos têm a particularidade de possuírem inúmeras disposições legais. Uma das mais recentes alterações impôs que os mesmos, a partir de 1 de Janeiro de 2011, passem a ser assinados digitalmente e emitidos por software certificado pela DGCI.

O presente manual explica como parametrizar o Wpms no sentido dos documentos valorizados por este software certificado pela DGCI possuam assinatura digital.

Introdução do número do certificado DGCI do Wpms

Com a atribuição da certificação pela DGCI, todos os documentos valorizados emitidos pelo Wpms devem conter o número de certificado DGCI.

Por questões técnicas, criou-se um novo parâmetro de sistema (certifProg) o qual deve conter o valor 0484.
Nos seguintes ecrãs explica-se os passos a seguir.

Global → Instalação → Base → Instalações [IG001]

Seleccione a instalação que emite (ou emitirá) os documentos valorizados.

Ao clicar no botão (Parâmetros) irá para o ecrã dos Parâmetros de Sistema.

Clique em (Modificar) e no parâmetro de sistema certifProg introduza o valor 0484.
Para guardar o novo valor clicar em . Os utilizadores com sessão devem reiniciar as suas sessões e os serviços devem ser reiniciados.

Activação da assinatura digital em numeradores activos

Em numeradores já existentes, a activação da assinatura digital é efectuada por modificação da parametrização do numerador utilizado pelo acesso que determina a emissão de documentos valorizados.

Global → Aplicação → Elementos Básicos → Numeradores → Numeradores [AG015]

No numeradores já existentes deve seleccionar o numerador que deseja modificar.

Após seleccionar o numerador desejado utilize o botão (modificar) para proceder a activação da assinatura e no campo “Tipo de Assinatura Digital” clique no botão

Na janela do “Tipo de assinatura digital” seleccione o código 01.

Após guardar a nova parametrização no botão só falta reiniciar os serviços do Wpms. Os novos documentos valorizados já contém assinatura digital.

Activação da assinatura digital em novos numeradores

Em numeradores a criar, a activação da assinatura digital é efectuada no momento da criação do numerador a ser utilizado pelo acesso que determinará a emissão de documentos valorizados.

Global → Aplicação → Elementos Básicos → Numeradores → Numeradores [AG015]

No ecrã de selecção clique no botão (criar).

Preenchido o campo “Numerador”, é preciso declarar o “Tipo de assinatura digital”: escrever “01” ou escolher da lista. Os campos seguintes tem que ser preenchido de acordo com as regras da companhia.

exemplo de preenchimento

Cálculo de distâncias dentro do armazém

Âmbito e Objectivos

Neste manual vamos mostrar como calcular as distâncias percorridas dentro de um armazém por um operador ao executar um tipo de unidade de trabalho.

Para isto primeiro é necessário saber as distâncias que existem entre espaços no armazém, que iremos dividir por áreas para facilitar o calculo.

Para que no calculo das estatisticas seja possível acrescentar a também o calculo das distancia que o operador percorreu para o tipo de unidade de trabalho a ser tratada.

Como calcular as distâncias entre espaços no armazém

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Estatísticas -> Alimentar Estatísticas -> Calcular distancias entre espaços [AL298]

Ao seguir caminho apresentado em cima, iremos abrir o seguinte ecrã.

Como é possível observar na imagem existem quatro campos de inserção, todos estes campos são de inserção obrigatória.

Estabelecimento -> Neste campo deve colocar o armazém onde quer gerar as distâncias.

Tipo Seq. Espaços -> Aqui deve escolher o tipo de sequência de espaços a escolher para ajudar deve clicar no ponto de interrogação e uma janela abrirá com as opções que pode escolher, como pode ver em baixo.

Seq. Espaços -> Aqui poderá definir qual será a sequência de espaços a ser escolhida para o cálculo das distâncias entre espaços, aqui também terá uma janela de apoio se clicar no ponto de interrogação como mostra em baixo, mas para aparecer qualquer tipo de ajuda devem estar preenchidos os dois campos anteriores.

Tipo Espaço Agrupador -> Neste campo ira ser colocado o tipo de área desejada para fazer os cálculos das distâncias entre espaços. Aqui pode escolher o tipo de espaço a partir de uma seleção.

Por fim quando fizer todas as suas escolhas deve clicar neste botão , e irão ser calculadas todas as distâncias conforme os critérios colocados no ecrã.

Como calcular a distância percorrida por operador para cada unidade de trabalho

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Estatísticas -> Resumo Produtividade Unidade de Trabalho [AL149]

Para calcular as distâncias percorridas por cada operador por tipo de unidade de trabalho, basta gerar as estatísticas e os dados de distâncias percorridas serão geradas juntamente com o resto dos outros dados estatísticos.

No ecrã, como é mostrado em baixo, foram adicionadas 3 colunas, a Distância Horizontal onde será contabilizada a distancia horizontal percorrida no armazém por operador num determinado tipo de unidade de trabalho, no dia analisado, temos ainda a Distância Vertical que faz o mesmo da anterior mas contando a distancia em altura feita pelo operador para cada tipo de unidade de trabalho no dia a ser analisado, por fim temos o campo UM que mostrará em que unidade de medida estão os valores das colunas anteriores.

Como Funciona o Cálculo de Distâncias (aspectos técnicos)

Para calcular as distâncias entre espaços do armazém, nós dividimos o armazém em várias áreas que são escolhidas pelo utilizador.

Para isso vemos todos os espaços contidos na área escolhida e primeiro descobrimos qual o espaço de entrada e de saída dessa mesma área, depois é medida a distância de todos os espaços contidos na área com o ponto de saída e o ponto de entrada.

Depois de serem recolhidas as distâncias, gravamos na tabela de espaços (D0060) a distância com o ponto de entrada, distância com o ponto de saída, as coordenadas do ponto de saída e entrada.

Para calcularmos distância percorrida por cada operador no armazém, primeiro guardamos os espaços em que o operador passou enquanto esteve a executar cada tipo de unidade de trabalho. De seguida verificamos se este espaço é o primeiro ou o operador não mudou de área, se este não mudou de área a distância percorrida será a distância ao ponto de entrada do espaço onde o operador se encontra, se ele tiver mudado de área, a distância percorrida será calculada a partir da distância entre ponto de saída da área onde se encontrava e o ponto de entrada da área onde está neste momento, mais a distância que ele percorreu até o ponto de saída da área a partir do espaço onde se encontrava, somando ainda a distância com o ponto de entrada da área até ao espaço onde se encontra.