Atualização do Peso dos Contentores em Tempo Real

Objetivos

O presente documento, apresenta os requisitos e descreve os procedimentos no processo de recálculo do peso dos contentores a cada movimentação (recolha ou colocação) de mercadoria sobre os mesmos. Este processo tem em conta tanto os contentores de destino como de origem. Tanto em stock como em JIT.

Tal necessidade é justificada, em primeira análise, por três fatores principais:

  • Planeamento de entregas;
  • Criação de novos contentores (por contentor cheio);
  • Validação de excesso de peso em execução.

Atualização automática do peso dos contentores em Tempo Real

Esta situação ocorre automáticamente em 3 processos:

Na execução:

Na transferência de stock entre contentores executados PDT

Na correção dos mesmos (AL064)

Global -> Global Aplicação -> Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Saída Mercadoria -> Contentores de Execução [AL064]

Recálculo das Dimensões do Contentores (AL063 / AL064)

Lista das Reservas de Expedição

Global -> Global Aplicação -> Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Saída Mercadoria -> Reservas de Expedição [AL063]

Lista os contentores execução

Global -> Global Aplicação -> Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Saída Mercadoria -> Contentores de Execução [AL064]

Recálculo de Volumes com etiquetas atribuídas (TR003)

Global -> Global Aplicação -> Aplicação -> Gestão de Transportes -> Voltas Planeadas [TR003]

Transferência de Contentores

Objetivo

O presente manual apresenta as ações necessárias efetuar em WPMS no sentido de disponibilizar a funcionalidade de transferência de contentores, Enumera-se ainda as transações a considerar para efeitos de parametrização de tipos de unidades de trabalho de transferência de contentores. Apresenta também uma breve explicação das ações e dos tipos de ações que suportam esta funcionalidade bem como do processo de criação das unidades de trabalho em armazéns com e sem Planeamento de Transportes.

Tipos de Ações Físicas e Ações Físicas

A funcionalidade de Transferência de Contentores em RF é suportada no tipo de documento interno 49-”Transferência de Contentores” e nos Tipos de Ações Físicas – e respetivas Ações Físicas – que a seguir se apresentam:

  1. “Transf. de Contentores- Reconhecer Contentor”: Contempla apenas ação física 3920 – “Transf. de Contentores – Encontrar Contentor Especifico ”, a qual apresenta ao operador RF a informação sobre a localização e a etiqueta do contentor a reconhecer.
  2. “Transf. de Contentores – Levar Contentor ”: Contempla as ações fisicas 3930–“Transf. de Contentores Levar Contentor: S/N ” e 3940 – “ Transf. de Contentores – Levar Contentor: Código espaço/etiqueta ”, as quais apresentam ao operador a localização destino do contentor reconhecido previamente. Estas duas ações diferenciam-se pelo modo de confirmação no espaço destino.

Dadas as caraterísticas da funcionalidade da transferência de contentores, houve necessidade de criar uma nova Classe de Unidade de Trabalho, que se designou “Transferência de Contentores”.

Parametrização dos Tipos de Unidade de Trabalho

A configuração dos tipos de unidade de trabalho pertencentes a este nova classe, a efetuar na transação [AL118] – Gestão de Unidade de Trabalho, deve considerar que todos os tipos de ações anteriormente enumerados devem estar devidamente parametrizados. No sentido de melhor clarificar este preposição apresentam-se as configurações possíveis:

  1. Configuração com recurso ao par de ações 3920 e 3930:

2. Configuração com recurso ao par de ações 3920 e 3940:

Enumeradas as configurações possíveis, apresentam-se algumas considerações sobre cada uma das ações físicas “Transferência de Contentores”, bem como respetivo ecrã:

  1. 3920 -Transf. de Contentores – Encontrar Contentor Especifico

Apresenta ao operador informação sobre a localização e a etiqueta do contentor a reconhecer e valida se a etiqueta declarada coincide com a esperada.

2. 3930 Transf. de Contentores – Levar Contentor: S/N

Apresenta ao operador informação sobre o destino da etiqueta previamente reconhecida. Aonfirmação da movimentação do contentor para o novo espaço é feita por S/N.

3. 3940 Transf. de Contentores – Levar Contentor: Código espaço/etiqueta

Apresenta ao operador informação sobre o destino da etiqueta previamente reconhecida. A confirmação da movimentação do contentor para a novo espaço pode ser feita por barcode do espaço ou declaração de etiqueta, caso já exista algum contentor presente no espaço.

Criação das Unidades de Trabalho

As unidades de trabalhos são criadas em PC e são somente considerados os contentores cujo estado de localização seja “No Lugar” . A transação onde são criadas as unidades de trabalho dependem da parametrização do módulo de Planeamento de Transportes.

Armazéns com Planeamento de Transportes

Nos armazéns onde o planeamento de transportes é uma realidade as unidades de trabalho são criadas na transação TR003 – “Voltas Planeadas” sempre que seja atribuído o um novo Tipo de Cais/Cais aos volumes de um ou mais agrupamentos de grupos de fluxos tornando-se a criação efetiva se no momento da atribuição existirem volumes “De contentores executados/preparados”.

Global → Global Aplicação → Aplicação → Gestão de Transportes → Voltas Planeadas [TR003]

Armazéns sem Planeamento de Transportes

Nos armazéns onde o planeamento de transportes não se encontre configurado, as unidades de trabalho são criadas no detalhe de loja da transação AL063 – “Reservas de Expedição“ sempre que seja atribuído o um novo Tipo de Cais/Cais aos contentores de um ou mais agrupamentos de grupos de fluxos tornando-se a criação efetiva se no momento da atribuição existirem contentores “Executados” ou “Preparados”.

Global → Global Aplicação → Aplicação → Gestão de Armazéns → Saída de Armazém → Reservas de Expedição [AL063]

Confirmação dos Documentos de Transferências em PC

Para os casos em que exista documento de transferência mas os espaços de destino dos contentores não possuam gestão RF, ou para os casos onde seja de todo possível confirmar via PDT as movimentações entretanto criadas, a confirmação desses documento pode ser efetuada na transação AL042.

Global → Global Aplicação → Aplicação → Gestão de Armazéns → Gestão de Contentores → Contentores em Movimento para Confirmar[AL042]

Stock de Quarentena

Objectivos e Âmbito

Este manual foi realizado com o intuito de possibilitar o leitor a parametrizar a quarentena necessária a ser feita para determinados artigos.

Parametrizar/Criar novo tipo de stock

Aplicação -> Gestão de Stocks -> Parametrização -> Tipos de Stock [AL009]

Depois de abrirmos o ecrã apresentado em cima iremos ver o seguinte ecrã de selecção.

Aqui vamos criar o nosso novo tipo de stock neste caso será stock de quarentena.

Como a figura em cima mostra basta dar um código, este vai ser necessário mais tarde neste manual, e a descrição que seja indicada para este tipo de stock. Neste caso foi escolhida o código 06 e a descrição quarentena.

Agora como podemos ver na figura em baixo, já adicionamos o novo tipo de stock.

Neste momento precisamos de definir os cálculos que irão ser efectuados por este novo tipo de stock. Para isso seleccionamos o nosso novo tipo de stock, e seleccionamos “Extras / Definição dos Cáculos e da Sequência por Tipo Stock” .

Neste caso o nosso novo tipo de stock, usará o calculo de stock “Stock” e ficará no valor Existência.

Neste momento temos o nosso novo tipo de stock parametrizado.

O passo seguinte é parametrizar os documentos para que estes recebam este novo tipo de stock. Para isso vamos seguir o caminho apresentado em baixo.

Aplicação -> Gestão de Stocks -> Parametrização -> Tipos de Documentos [AL013]

Aqui vamos seleccionar o tipo de documento a que queremos ligar o nosso novo tipo de stock. Neste nosso caso iremos escolher o Tipo de Documento “Ordem de compra (NB)”.

Seleccionamos o “Tipo de Documento” e a opção realçada na figura seguinte (Menu Opções – Tipos de Linha Permitidas e Tipos de Stock Movimentados nos Documentos).

Depois de escolhida esta opção o seguinte ecrã irá aparecer.

Agora deveremos escolher que tipo de artigos irão para quarentena. Neste caso foi escolhido o tipo de artigo ZANP. Deverá ser escolhida a “Causal Linha” Quarentena, será para o tipo de linha Entrada de Stock e associamos ao tipo de stock que criamos Quarentena.

Depois de gravar teremos todas as parametrizações necessárias ao novo tipo de stock que foi criado.

Determinar tempo de Quarentena

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Definições Operacionais -> Artigos – Dados Logísticos [AL077]

Neste momento só nos falta determinar o tempo de necessário de quarentena para cada artigo, para isso e seguindo o caminho apresentado em cima chegaremos ao seguinte ecrã.

Aqui iremos escolher em que artigo queremos definir a quarentena. Depois de listar iremos ter o seguinte ecrã.

Neste ponto temos duas hipóteses ou criamos um registo novo ou, como neste exemplo, iremos modificar o registo já existente.

Aqui iremos poder definir a quarentena mínima para o artigo e escolher se a mesma será calculada em anos, dias ou meses.

Depois de serem feitos estes passos todos, sempre que recebermos uma ordem de compra com o causal linha “08 – Quarentena” serão criados contentores com o tipo de stock quarentena.

Transferir Contentores de Quarentena

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Gestão de Contentores -> Transferir Automaticamente a partir do Stock Quarentena [AL341]

Neste ecrã iremos definir em que armazém queremos transferir os contentores. Deveremos escolher o tipo de stock que criámos anteriormente para Quarentena, e por fim para que tipo de stock queremos que esses contentores sejam transferidos.

O sistema irá pesquisar todos os contentores do stock de Quarentena, e conforme o artigo do contentor se este já passou o tempo de quarentena, será então transferido.

Caso não existam mensagens indicativas de transferência de contentores, significa que nenhum contentor reunia as condições necessárias para poder ser transferido.

Esta acção pode também ser agendada. Para isso aconselho a consulta do manual de agendamentos e deverão ser utilizados os seguintes parâmetros:

  • ENTI → Que será o código do armazém.
  • STKQ → Código do tipo de stock criado anteriormente.
  • STKT → Código do tipo de stock, para onde os contentores serão transferidos.

Configuração TMS

Objetivos e Âmbito

Esta nova funcionalidade, o TMS, que passa a fazer parte integrante do WPMS, recorre a uma aplicação externa, sendo por isso necessária uma configuração inicial dos sistemas que irão comunicar entre si, bem como de parameterizações especificas que irão ser utilizadas por este “módulo”.

Pretentede-se com esta documento indicar os passos necessários para a configuração inicial do sistema TMS no WPMS.

Ativação do TMS

Foi criado um novo parâmetro de sistema que permite activar/desactivar as funcionalidades directamente ligadas à utilização do TMS. Este parâmetro pode tomar apenas dois valores 1 ou 0, sendo que activa o TMS no caso do seu valor estar a 1.

Nos ecrans seguintes é apresentada a forma de como proceder a esta activação.

Instalação -> Base -> Instalações [IG001]

Selecione a instalação onde pretende ativar o TMS.

Ao clicar no botão (Parâmetros) irá para o écran dos Parâmetros de Sistema:

Clique em (Modificar) e no parâmetro de sistema “usesTMS” colocar o valor “1”.

Guardar a nova configuração usando o botão .

Deverá ser efectuado um restart aos serviços e todos os utilizadores com sessão aberta devem terminar as mesmas e voltar a efectuar login no WPMS.

Criação de um numerador para Extração de contentores

Para que a identificação de cada conjunto de contentores possa ser idêntificada univocamente é necessário criar um numerador que será posteriormente utilizado aquando da solicitação da extração de contentores a enviar para o sistema remoto.

Para tal há que proceder da seguinte forma:

Aplicação -> Elementos Base -> Outros Dados -> Numeradores -> Numeradores [IG015]

Seleccione o botão adicionar

Preencha os campos Numerador, Tipo de Numerador, Número de Caracteres e Estrutura. Ex:

Seleccione o botão para guardar os dados introduzidos. Após a criação do novo numerador deve-se proceder à definição do intervalo do numerador. Seleccione o numerador criado anteriormente e o botão

Após esta seleccção seleccione o botão para adicionar o novo intervalo.

Deve preencher os campos Intervalo, Primeiro Valor, Último Valor. Ex:

Seleccione o botão para guardar os dados introduzidos.

Criação de Sistema Externo

Para que seja possivel a comunicação com o sistema que nos irá devolver dados relativos ao TMS, é necessário que seja criado/configurado um novo sistema externo que autorize o WPMS a comunicar com o “exterior”.

Assm há que proceder da seguinte forma:

Instalação -> Interfaces -> Sistemas Externos [IG004]

Seleccione o botão adicionar

Preencha os campos Sistema Externo e Password. Seleccione o botão para guardar os dados introduzidos.

Cria Objecto/Método com protocolo de dados

Após a criação do sistema externo é necessário indicar o método que irá estar disponivel para o TMS comunicar com o WPMS informando que tem dados optimizados para serem recolhidos.

Assim há que proceder da seguinte forma:

Instalação -> Adaptações Locais -> Objecto/Método com protocolo de dados [IG026]

Seleccione o botão adicionar

Preencha todos os campos com os dados indicados:

  • Objecto: FAPLOG920
  • Método: optimizationReadyCall
  • Sistema Externo: (o sistema externo criado no ponto anterior)Protocolo de Dados: SOAP
  • Endereço do Sistema Externo: (IP indicado pelo fornecedor do serviço)

Seleccione o botão para guardar os dados introduzidos.

Após esta acção deve seleccionar o Objecto/Método FAPLOG920 – optimizationReadyCall e clicar no botão para que seja gerado o WSDL relativo ao método em questão.

Será então apresenta a seguinte mensagem:

Cria Definições Objectos/Métodos remotos

Por outro lado é necessário indicar no WPMS todos os métodos remotos que irão utilizados bem como as definições dos mesmos para que os mesmos possam ser utilizados nos métodos “internos” do WPMS.

Proceda da seguinte forma:

Instalação -> Adaptações Locais -> Definições Objectos/Métodos remotos [IG027]

Seleccione o botão adicionar

Preencha os dados relativos ao objecto e método do WPMS que irá utilizar o método remoto. Indique ainda os dados relativos ao sistema e método remoto a ser utilizado.

Ex:

Seleccione o botão para guardar os dados introduzidos.

Deve repetir esta acção para todos os métodos remotos que deseja usar.

Dúvidas e Outras Questões

Esclarecimento de dúvidas ou outra qualquer questão relacionada com a parametrização e/ ou utilização desta funcionalidade podem ser colocadas ao serviço técnico da Isretail via tel: 211509901 ou pelo e-mail: tech@isretail.eu

Equipamentos

Objectivos e Âmbito

Desenvolvemos o conceito genérico de Equipamento no WPMS, podendo ser definido como qualquer elemento que tenha uma existência física, que seja passível de ser identificado com um identificador, seja ele um código de barras ou de outro tipo, e sobre o qual se tenha como objetivo registar um conjunto de operações ou registar movimentos circulares desse elemento/objecto ao longo da cadeia de abastecimento.

O registo das operações ou movimentos dos equipamento poderá ser feita no WPMS de modo manual, ou através da incorporação dos registos em etapas chaves dos processos geridos pela aplicação.

Esta será uma primeira versão deste módulo, onde disponibilizamos o registo automático das movimentações de duas classes específicas de equipamentos; os veículos e os contentores identificados de forma única e que se movimentam em circuito fechado entre os pontos de entrega e os armazéns.

Outros exemplos de equipamentos passíveis de serem tratados por este módulo, no meio de actuação do WPMS, poderão ser os diferentes tipo de veículos usados para movimentar as paletes dentro de um armazém, os PDTs, as máquinas de lavar o chão, etc. Actualmente para estes tipos de equipamentos só se encontra disponível o registo manual e não integrado na execução dos processos.

Tipos de Equipamentos

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Gestão Equipamentos-> Parametrização -> Tipos de Equipamentos [AL310]

Conceito transversal do WPMS, que consite em concretizar na instalação do cliente uma primeira classificação de equipamentos (neste caso concrecto) ligada à respectiva classe que é o elemento de ligação com a componente técnica da aplicação. Este tipo de classificação é completamente livre, devendo o cliente aplicar a terminologia usada pela organização, para agrupar tipos de equipamentos dentro da mesma classe, de modo a possibilitar a obtenção rápida de consultas de conjuntos de equipamentos que partilhem uma determinada caracteristica relevante para o negócio do cliente.

Como se pode ver pela imagem abaixo apresentada, nesta primeira versão, existem três classes disponíveis de equipamentos; Contentores, Veículos e Material Informático.

A título de exemplo, para as duas classes geridas de modo automático durante a execução dos processos, recomendamos a criação de um tipo de equipamento para contentores de frio e para o caso dos veículos poderão definir um tipo de equipamento único para veículos ou em alternativa um tipo de equipamento por tipo de capacidade dos veículos.

Definição Eventos Equipamentos

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Gestão Equipamentos-> Parametrização -> Definição Eventos Equipamentos [AL311]

Um outro elemento importante para este módulo é a definição dos eventos que poderão ser registados para cada equipamento em concrecto.

O conceito de evento que aplicámos aqui, é a adaptação de um conceito mais habitual na área técnica das aplicações, à componente mais operacional da gestão de um objecto. Por evento nós entemos qualquer tipo de registo ou de movimentação que possa ser feita sobre um determinado equipamento.

Na definição do evento para além da possibilidade que o configurador tem de adaptar a nomenclatura que considerar mais adequada à realidade que está a mapear, também define se o código do evento em causa determina a sua disponibilidade ou não. Se o evento deve terminar a disponibilidade do equipamento, então deve activar o indicador de disponibilidade. Se o evento determina a indisponibilidade do equipamento então deve deixar o indicador de disponibilidade em branco.

Como pode aferir pela imagem abaixo, a definição de cada código e descrição do evento é feita de forma associada à classe do evento, existindo nesta versão três classes disponíveis: Recepção, Expedição e Movimentos Diversos. A classe do evento vai determinar em que parte dos processos da aplicação o evento poderá ser utilizado, de modo a ser integrado na execução do processo.

A definição de evento de defeito é importante para indicar para cada classe de evento, qual é o evento que deve ser usado na execução das etapas dos processos, quando o utilizador não tem hipótese de indicar o evento que pretende registar (registo automático). Um dos exemplos será a expedição ou carga.

Nos exemplos que estamos a seguir, para a classe de contentores será necessário criar dois eventos, a expedição que indisponibiliza o equipamento (e que será o evento de defeito) e a recepção/devolução dos contentores vazios ao armazém que torna os equipamentos de novo disponíveis.

No caso dos veículos eles não necessitam de eventos, pois a localização física dos mesmos e a sua disponibilidade já é controlada por outros módulos da aplicação podendo esta parte não ser activada neste módulo.

Elementos para Eventos Equipamentos

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Gestão Equipamentos-> Parametrização -> Elementos para
Eventos Equipamentos [AL312]

Se considerámos que os eventos seriam os colectores de dados, os registos efectuados a cada equipamento, os elementos dos equipamentos, são precisamente a informação que deverá ser recolhida de cada vez que se efectua um registo/evento ao equipamento.

Assim o que se pretende é que o configurador caracterize o tipo de informação a recolher quando se executa cada um dos eventos definidos para classe de equipamento.

Para Criar um Elemento, seleccionar o botão de Criar

.

Elementos dos Eventos Equipamentos

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Gestão Equipamentos-> Parametrização -> Definição Eventos Equipamentos [AL311] (Detalhes dos Eventos)

Após a definição dos elementos que poderão fazer parte dos eventos será necessário definir que elementos irão fazer parte de cada evento. É desta forma que faremos a definição de quais elementos de informação deverão recolhidos em cada evento e se essa recolha estará sujeita a algum tipo de validação ou regras ou se apenas se trata de uma recolha livre de informação.

No ecrã dos eventos, e após selecionar um evento deverá seleccionar a opção de menu que lhe permite associar elementos ao evento seleccionado.

Ao seleccionar a opção de criar uma associação, o sistema apresenta-lhe um ecrã identico ao apresentado na imagem anterior, onde poderá definir qual o elemento, que criou anteriormente, vai associar ao evento seleccionado. Ao fazer a associação poderá indicar se a declaração de valores para esse elemento é obrigatória e se o sistema deverá fazer algum tipo de validação sobre os valores introduzidos pelo utilizador. Em caso de pretender uma validação deverá definir o valor mínimo e máximo permito. Poderá ainda definir o valor de defeito, que será o valor que será apresentado automaticamente ao utilizador como sugestão de preenchimento.

Para cada evento pode adicionar os elementos que pretender, desde que os tenha definido anteriormente.

Uma possibilidade de configuração será definir que no momento da expedição o sistema questione o operador qual a temperatura do contentor, sendo que essa temperatura deverá estar entre os -50 e os -10, tendo como valor default os -25.

Nesta primeira versão do módulo, a recolha de dados nos elementos dos eventos só estará disponível no registo manual de eventos, não sendo despoletada nos decorrer da execução dos processos em RF ou em PC.

Esta definição é facultativa.

Equipamentos

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Gestão Equipamentos-> Equipamentos [AL309]

Terminada a definição dos elementos base de configuração passa-se para a definição os diferentes equipamentos que devem ser geridos pelo WPMS.

No caso mais concreto que estamos a acompanhar será necessário definir os diferentes códigos dos equipamentos para a classe de contentores e de veículos.

Para cada código de equipamento criado deve ser dada uma descrição, a classificação nos tipos de equipamentos definidos na parametrização, a data a partir da qual o equipamento poderá começar a ser utilizado e o indicador se o equipamento se encontra disponível ou não. Este indicador de disponíbilidade numa primeira fase marca a disponibilidade do equipamento, mas depois de se iniciarem os registos no equipamento, o indicador passa a ser gerido pelos eventos, que lhe forem registados.

Adicionalmente para cada equipamento deverá definido pelo menos um identificador, que o mais natural é ser um código de barras. No caso de serem definidos vários códigos de barras como identificadores, isso significa que qualquer um dos identificadores poderão ser usados para identificar o equipamento ao qual está ligado.

Neste ponto devem ser definidos todos os contentores de frio que estiverem ao serviço da logística assim como qualquer matricula de veículo ou galera que possa ser usada no processo de carga e registo de portaria.

Eventos Equipamentos

A partir da consulta referida no ponto anterior, onde também se define os diversos códigos de equipamentos, também se pode fazer a consulta dos diversos eventos que automaticamente são criados pelas etapas dos processos que têm ligações com o registo de eventos dos equipamentos. Na mesma opção de menu também se pode efectuar o registo manual de eventos sobre um determinado equipamento.

Ao seleccionar um equipamento e escolher a opção de Eventos Equipamento, o sistema apresenta todos os registos já efecetuados sobre o equipamento seleccionado.

Para além da lista de eventos já registados é possível fazer o registo manual de qualquer evento que esteja previsto para a classe de eventos em causa.

Definir Contentores como Equipamentos

Aplicação -> Dados Mestre -> Gestão de Armazéns -> Contentores-> Definições Contentores [AD012]

Agora que definimos os diferentes códigos de equipamentos que devem ser geridos pelo WPMS, é necessário fazer a ligação entre o módulo dos equipamentos e os elementos do WPMS que são usados durante a execução dos processos, para que a criação dos eventos nos equipamentos seja automatizada.

Para fazer essa ligação para as duas grandes classes de equipamentos que estão disponíveis neste versão, os Contentores e os Veículos, o nível de associação é diferente para cada uma destas classes.

Para a classe de Contentores a ligação terá que ser feita ao nível dos códigos de contentor que estiverem definidos na aplicação e que se pretender que sejam geridos também num conceito de equipamento. Por outras palavras para os contentores que tiverem uma identificação unica e que se movimentarem num circuito fechado entre o armazém e os pontos de entrega.

Equipamentos

Na lista de contentores seleccionar o pretendido e escolher a opção de modificar.

Aí vai encontrar um ecrã identico ao mostrado no ecrã anterior, onde existe agora mais um campo que é o tipo de equipamento, devendo escolher qual é o tipo de equipamento adequado a esse contentor.

Com esta definição, o sistema sempre que durante a execução de mercadoria, tiver que solicitar ao utilizador uma etiqueta anónima para identificar a palete, e o respectivo contentor for um código onde fez a ligação com o tipo de equipamento, vai verificar se a etiqueta declarada é um identificador ligado a algum código de equipamento do tipo definido. Adicionalmente verifica também se o estado desse equipamento é disponível. Caso o equipamento esteja disponível, o sistema aceita como etiqueta de expedição/execução qualquer um dos identificadores do equipamento.

Este mecanismo de reconhecimento é automático, não sendo necessário fazer qualquer alteração à parametrização das acções físicas das unidades de trabalho de execução.

MUITO IMPORTANTE!!!!!

Para gerir equipamentos ligados a contentores é necessário que o código de artigo AT ligado ao contentor, no ecrã de modificação dos dados do contentor, seja único para cada código de contentor. Por outras palavras, cada código artigo AT só pode estar associado a um código de contentor. Esta exigência não existia até ao desenvolvimento do módulo de equipamentos para contentores de execução e é fundamental para possibilitar o registo automático dos movimentos de stock de AT associado ao equipamento, via contentor, no processo de registo de recepção de equipamentos no armazém, provvenientes provavelmente dos pontos de entrega.

Definir Veículos como Equipamentos

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Definições Operacionais -> Planeamento de Rotas -> Veículos Transporte [AL270]

Na ligação entre a gestão de equipamentos e os veículos a lógica a usar é ligeiramente diferente, pois para cada código de veículo estabelecesse a associação directa entre a codificação interna do veículo e a codificação interna do equipamento que representa esse veículo.

O objectivo deste associação é essencialmente o de se poder usar os vários identificadores associados ao equipamento para servirem de elementos de identificação do veículo, quer no processo de registo de chegada dos carros vazios à portaria, quer no processo de carga e no processo de registo de galeras e tractores no registo de saída das viaturas na portaria.

Recepção de Equipamento

A recepção de equipamento (ou se preferirmos o registo dos equipamentos entregues nos armazém provenientes dos locais de entrega) faz mais sentido para a classe de equipamentos de contentores. Para esta classe de equipamento supõe-se que os equipamentos ligados aos contentores de expedição são transportados cheios de mercadoria para os locais de entrega e depois retornam ao armazém eventualmente vazios, para que possam ser de novo reutilizados em mais um processo de execução e de carga.

No caso concreto dos contentores de frio que temos vindo a seguir, o processo de expedição ou carga faz com que o equipamento fique indisponível e o processo de registo do retorno do equipamento ao armazém faz com que o equipamento fique de novo disponível para ser reutilizado.

Para se fazer o registo de recepção do equipamento é necessário usar a rádio frequência, nomeadamente o menu dedicado às Devoluções (MNVAPRFS06 – Menu RF Devoluções) que deve ser atribuído ao utilizador RF ligado ao código do operador de rádio frequência.

Como apresentado na imagem anterior seleccionar a opção de Recepção Equipamentos.

No ecrã seguinte é pedido ao operador de RF que seleccione a definição de movimento diverso que pretende usar para fazer o registo dos equipamentos que vai receber. Esta selecção é necessária porque permitimos que o cliente possa fazer diferentes tipos de definições de movimentos diversos para mapear tratamentos diferenciados que pretende dar a diversos tipos ou classes de equipamentos.

Por fim é pedido ao operador de RF que leia um dos vários identificadores que foram atribuidos ao código de equipamento em causa. Com este registo será criado mais um evento que fica associado ao código de equipamento indentificado, e caso esteja configurado o equipamento ficará disponível (ou indiponível, de acordo com a configuração).

Parametrização Extra Não Específica

Para além da parametrização específica do módulo de equipamentos descrita entre os pontos 1 e 4, existem outras parametrizações necessárias para que o módulo funcione, nomeadamente na componente de configuraçãso das unidades de trabalho de registos de portaria, carga e a nova unidade de trabalho de Recepção de Equipamentos.

Aplicação -> Gestão de Armazéns -> Definições Operacionais -> Parametrização -> Acções e Unidades de Trabalho -> Gestão de Unidades de Trabalho [AL118]

Nos diversos tipos de unidades de trabalho possíveis para a carga, será necessário alterar a acção física 1800 pela 2740 – Carga RF: Declarar Cais e Matricula c/ Equipamento ou 1290 pela 2720 – Declarar Matricula c/ Equipamento e a 2650 pela 2770 – Carga: Validar Matrícula c/Equipamento, dependendo do tipo de carga que estiver activado na instalação.

No tipo de unidade de trabalho de registo de chegada á portaria será necessário substituir a acção física 2690 pela acção física 2710 – Carga: Criar registo de chegada de transportadores p/ Equipamento.

Relativamente à parametrização de tipos de unidades de trabalho será necessário criar um novo tipo de unidade de trabalho para a nova classe de unidades de trabalho 33-Recepção de Equipamentos RF. Uma vez que se trata de uma parametrização habitual no WPMS não será descrito em detalhe neste manual.

Depois será necessário fazer a determinação do novo tipo de unidade de trabalho para o documento interno 69 – Recepção de Equipamentos.

Em termos de acções físicas, a definição do novo tipo de unidade de trabalho deve conter as únicas duas acções físicas disponibilizadas para esta primeira versão deste módulo que são as 2750 – Escolher Definição Movimento p/ Recepção Equipamentos e a 2760 – Identificar Equipamento.

Ainda para completar a configuração da Recepção de Equipamentos será necessário fazer a definição de um novo movimento diverso, que suporte os eventuais movimentos de stock que se pretender obter para o AT associado ao contentor de expedição ligado ao equipamento que se estiver a dar entrada no armazém.

Aplicação -> Gestão de Stocks -> Parametrização -> Definição dos Movimentos Diversos [AL008]

Uma vez que se trata de uma definição de configuração standard não vamos fazer uma abordagem detalhada.

A sugestão que fazemos é que criem uma cópia (caso exista) da definição de movimentos diversos que suporta de devolução de ATs dos pontos de entrega (e que define como devem ser feitos os registos de movimentos para o código de AT associado directamente o código de contentor ligado ao tipo de equipamento, que estiver ligado ao código de equipamento identificado na Recepção de Equipamentos em RF. Depois de fazer a cópia é muito importante alterar o tipo de documento interno para Recepção Equipamentos.

O que esta definição de movimento diverso vai permitir é que o registo de movimento de mercadoria associado ao AT principal do equipamento (via contentor) seja feito automaticamente (sendo movimentada 1 unidade por cada identificador declarado na recepção de equipamentos) com a recepção de equipamentos, evitando que se tenha que fazer pela via da aceitação ou registo de devoluções de ATs. É esse o grande objectivo de fazer esta definição.

Evidentemente que após a definição de um novo código de definição de movimentos diversos ainda será necessário fazer a respectiva definição de movimento de mercadoria de acordo com o que for pretendido, para que o sistema crie os respectivos registos de stock de ATs.

Contentores Marítimos

Objetivos:

Criar uma funcionalidade local em que permitisse ligar guias de remessa a contentores marítimos. Podendo assim ter um maior controlo da mercadoria que está dentro do contentor marítimo.

Pressupostos

Para que esta funcionalidade possa funcionar alguns pressupostos têm de ser atendidos:

  1. Terão de existir 4 novos tipos de contentores com os seguintes códigos:
    1. 037 – 20 Pés frio
    2. 038 – 20 Pés Normal
    3. 039 – 40 Pés frio
    4. 040 – 40 Pés Normal

Nota: as descrições podem ser diferentes das apresentadas acima, os códigos é que devem ser os mesmos caso não seja possível por favor contacte-nos.

  1. Deverá ser criada uma classificação não hierárquica que deverá ter as lojas que aceitam estes tipos de contentores, esta deve ter o código CMART.
  1. Deverá ser criado um numerador para estes contentores este numerador deverá ter o código CONTMRT com o código do intervalo 01.
  1. No fim de cada criação ou edição de contentor marítimo irá ser enviada uma mensagem do tipo WPMSMSG com a estrutura T0083 que irá ser composta da seguinte maneira:
    • Struttura → Matricula do contentor;
    • Elemento_codice → Documento;
    • Sequenza → Código do tipo de contentor.

Contentores Marítimos PC

Global Aplicação -> Aplicação -> Gestão de Transportes -> Contentores Marítimos [ZL004]

Neste ecrã podemos criar, editar e listar contentores marítimos, podemos ainda listar todas as guias de remessa que não tem nenhum contentor marítimo associado.

Para criar um novo contentor marítimo deveremos clicar no botão

Aqui podemos então criar o nosso contentor marítimo e associar as respetivas guias de remessa. Todos os campos deste ecrã são de preenchimento obrigatório.

Ao confirmar será enviada uma mensagem com o contentor marítimo e o seu conteúdo.

Podemos ainda criar o nosso contentor marítimo de outra maneira para isso e no ecrã de seleção clicamos no botão

Neste ecrã é-nos mostrada uma lista de todas as guias de remessa que não têm contentores marítimos associados. Ao selecionarmos as guias e clicarmos no botão

A partir deste ecrã temos acesso à lista de guias de remessa sem contentores marítimos e também podemos criar um contentor marítimo novo. Mas alem destas duas ações que podemos realizar também podemos editar um contentor já criado para isso temos de selecionar o contentor desejado e clicar no botão . Atenção que este ecrã não aceita selecionar mais que um contentor.

Neste ecrã podemos remover ou acrescentar guias de remessa ao contentor marítimo, para remover guias basta tirar a seleção da linha a retirar e gravar e o sistema irá remover a guia presente na linha onde tiramos a seleção. Para acrescentar basta acrescentar mais guias de remessa a lista. Podemos ainda mudar o tipo de contentor.

Ao confirmar será enviada uma mensagem com o contentor marítimo e o seu conteúdo.

Contentores Marítimos RF

Foi acrescentado ao menu de Carga uma ação para a unidade de trabalho local de contentores marítimos.

Quando selecionar a opção de contentores marítimos o seguinte ecrã irá aparecer.

Neste ecrã e no cabeçalho podemos colocar a Matrícula do contentor marítimo, o tipo de contentor e ainda no caso de ser um contentor novo deveremos preencher o campo “NOVO” com o numero ‘1’, no caso de este campo não ser preenchido e já existir um contentor ou mais contentores com uma matrícula igual, os documentos declarados serão adicionados ao ultimo contentor criado com essa matricula, e não será criado um contentor novo. No caso de o campo “NOVO” não se encontrar preenchido mas a matrícula declarada tenha sido a primeira vez declarada será sempre criado um novo contentor marítimo.

Neste ecrã no caso de ser um contentor novo os campos Matrícula, Tipo, e Doc são de preenchimento obrigatório. No caso de não ser um contentor novo só são obrigatórios os campos Matrícula e Doc.

De notar que tanto nesta funcionalidade de rádio frequência como na funcionalidade em PC caso seja declarado algum documento que já esteja presente em outro contentor marítimo este será movido do contentor onde o documento está presente, para o contentor que estamos a declarar naquele momento.

Ao confirmar será enviada uma mensagem com o contentor marítimo e o seu conteúdo.

Para sair da unidade de trabalho basta clicar no botão FIM.

Reorganização dos Contentores Marítimos.

Existe um local source o PB10, que pode ser usado para reorganizar a tabela local Z0002. Para este local source é possível criar um agendamento para isso no ecrã dos local sources IG008, depois de selecionar o local source no menu de opções tem a opção de Agendar Execução.

Este local source aceita o parâmetro NDYS que indica o numero de dias que os registos da tabela devem ser guardados na base de dados, se este parâmetro não for definido no agendamento o numero de dias será 90.

Capacidade do Armazém em Contentores

Objectivos e Âmbito

Este desenvolvimento teve como objectivo a criação de um report que mostre a capacidade de recepção de um armazém em contentores para uma determinada semana.

Essa capacidade será mostrada dividida por bloco horário, e fluxo.

Listar a capacidade do armazém em contentores ( ponto de vista do utilizador)

Aplicação -> Entrada de Mercadoria -> Consultas -> Listagem da capacidade do armazém em contentores [AL308]

Se seguirmos o caminho apresentado em cima iremos para o seguinte ecrã de selecção

Deveremos escolher o estabelecimento a analisar e de seguida escolher uma data que pertença a semana a analisar.

Neste caso escolhemos a semana 2 do calendário, á qual pertence o dia 10 de janeiro.

O resultado da nossa escolha será este.

Como podemos ver acima temos a informação no cabeçalho do estabelecimento, semana do ano, e o total de contentores.

Na lista podemos observar o bloco horário parametrizado para a data inserida no ecrã de selecção, podemos ainda observar a coluna “CAP” que indica a capacidade do armazém para o dia identificado na coluna seguinte, por fim iremos ter as colunas dos dias que serão a semana toda, nesta imagem por efeitos de uma melhor visualização da mesma só colocamos até quinta-feira, os dias da semana serão divididos em todos os fluxos usados nessa semana no armazém, os fluxos estarão divididos em contentores planeados e contentores recebidos