Table of Contents

Objectos/Métodos e Adaptações locais com Protocolo de Dados SOAP

You are here:

Objectivos e Âmbito

O objectivo de proporcionar aos Objectos/Métodos e ás Adaptações locais ligações com Protocolo de Dados SOAP, é o de facilitar a execução dos mesmos de forma remota. Desta forma permite-se, com as respectivas seguranças, que sejam efectuadas consultas mais elaboradas ás informações constantes na Base de Dados. A titulo de exemplo saber qual o peso do vasilhame e respectiva unidade de medida, de determinado artigo indicando “apenas” o seu código de barras e quantidade sem que para isso seja facultado ao cliente um acesso directo à Base de Dados.

Criação de um Sistema Externo

Primeiramente deve ser criado um sistema externo. Para tal deve-se seleccionar em primeiro lugar a seguinte opção do menu:

Global ->Instalação -> Interfaces -> Sistemas Externos [IG004]

Aqui deve-se seleccionar a opção de Criar um novo Sistema Externo . Será então apresentado o ecrã seguinte:

Neste , e no caso concreto devem ser preenchidos os seguintes campos

  • Sistema Externo – com a identificação do novo sistema externo e a respectiva descrição do mesmo.
  • Password – palavra-passe para que se possa validar o acesso ao mesmo

Após o preenchimento, os dados devem ser guardado utilizando para tal o botão .

Criação e configuração de um Source Local tipo WebService SOAP

Para que seja possível executar esta acção já deverá haver sido previamente criado um “programa” que irá ser executado e o mesmo deverá ter sido colocado numa pasta acessível pelo WPMS. Garantido o anterior deve-se então seleccionar a seguinte opção no menu:

Global ->Instalação -> Adaptações Locais -> Source Local [IG008]

Usando o botão vamos criar um novo Source Local

Será então apresentado o seguinte report

Uma vez aqui devem ser preenchidos os campos com as informações solicitadas:

  • Código Script – código pelo qual o Source Local será identificado;
  • Source Local – tipo de Source Local, que no caso concreto deverá ser indicado como Webservice SOAP;
  • Directoria – localização do script que será executado aquando da chamada deste Source Local;
  • Script – nome do script a executar.

Deve de seguida ser guardada a informação utilizando para tal o botão .

Depois da criação do Source Local devem ser efectuadas uma serie de configurações para garantir o correcto funcionamento do mesmo, nomeadamente, Descrições, Atribuição de Autorizações,Atribuição de Parâmetros Recebidos, Atribuição de Parâmetros Enviados e por fim Gerar WSDL.

Primeiramente é necessário seleccionar o Source Local que se quer configurar.

Para isso e no report inicial deve-se introduzir o código script, que escolhemos anteriormente e de seguida, para que nos seja apresentado Source Local que pretendemos, usar o botão .

É então apresentado o seguinte report:

Descrições

Estas serão as descrições que serão usadas para reconhecer o Source Local na listagem de todos os Sources Locais que existem e deve ser elucidativa do que o mesmo efectua. Por exemplo “Peso Vasilhame” numa clara indicação de que este calcula o Peso do Vasilhame. Para definir estas descrições deve-se seleccionar o código script que se pretende configurar e usar o botão .

Aqui deve-se, por forma a ser possível introduzir dados clicar no botão que se encontra na parte inferior da página.

Ao fazê-lo os campos são “abertos” e pode então ser introduzidas a língua, o tipo de descrição e a descrição propriamente dita.

Após a introdução os dados devem ser guardados usando o botão .

Atribuição de Autorizações

As autorizações referem-se a quem pode utilizar o local source em questão e servem para poder limitar ou autorizar a o uso do mesmo a operadores individuais e/ou grupos de utilizadores.

Assim e partindo do report onde nos é apresentado o Source Local sobre o qual queremos agir deve-se usar o botão .

É então apresentado o report abaixo no qual se deve seleccionar/preencher as respectivas opções.

  • Sequência – o número da sequência a utilizar;
  • Incluir/Excluir – acção que se pretende efectuar sobre o utilizar ou grupo de utilizadores;
  • Utilizador – o nome do utilizador sobre o qual se pretende agir;
  • Grupo de utilizadores – nome do grupo de utilizadores se pretende agir;
  • Sistema externo – Sistema externo ao qual se refere a autorização.

Atribuição dos Parâmetros Devolvidos

É aqui que irão ser definidos os parâmetros que o Source Local irá devolver após a sua chamada. Para tal e partindo uma vez mais do report onde é apresentado o Source Local, deve-se usar o botão .

Aqui é possível verificar os parâmetros que já estão definidos para source local em questão e podem-se ainda adicionar novos, utilizando para tal o botão .

Neste exemplo concreto temos os parâmetros PVAS (valor do Peso do Vasilhame) e o PVUM (Unidade de Medida do Peso do Vasilhame).

Devem-se então introduzir os dados relativos aos parâmetros nomeadamente:

  • Sequência – sequência dos elementos;
  • Elemento do Source Local – nome do elemento no Source Local;
  • Elemento – elemento correspondente no WPMS.

Atribuição dos Parâmetros Recebidos

No caso do source local necessitar de parâmetros de entrada para efectuar o pretendido, estes devem ser introduzidos através da opção “Parâmetros recebidos”, acessível no report onde é apresentado o source local que se pretende configurar, através do botão .

No exemplo que temos estado a acompanhar são necessário os parâmetros BRCD (Código de Barras do Artigo) e QTA1 (Quantidade do Artigo).

Para adicionar um novo parâmetro deve-se usar o botão .

Aqui devem ser preenchidos os detalhes relativos ao parâmetro:

  • Código do script – seleccionar o código do source local para o qual o parâmetro esta a ser definido;
  • Parâmetro – identificar o parâmetro a utilizar;
  • Obrigatório – se o parâmetro é obrigatório de ser passado ao source local;
  • Primeiro Valor – valor por defeito do parâmetro, ou seja o valor que caso não seja indicado nenhum valor este deve tomar.

Gerar WSDL

Para finalizar o processo há que gerar o WSDL que irá ser disponibilizado aos clientes por forma a estes saberem quais os parâmetros que devem enviar e que irão receber após a chamada ao Source Local. Para tal deve-se usar o botão disponível no report dos parâmetros de entrada.

Após a correcta criação do WSDL é apresentada a mensagem abaixo.

Para verificar o ficheiro criado e ainda saber quais os serviços disponibilizados para determinado sistema externo deve-se utilizar o seguinte link:

http://[localização do WPMS]/WPMSSoapServer2.php EXTS='[identificação do Sistema Externo no WPMS]’

Ex: http://montebravo.serveftp.net:7080/WpmsMontebravo/WPMSSoapSer er2.php?EXTS=03 que apresenta uma página idêntica à abaixo

Nota: caso hajam também Métodos já configurados como Webservices, estes também são apresentados nesta página (no exemplo são visíveis mais dois métodos que também são disponibilizados)

Configuração de um Objecto/Método como WebService SOAP

À semelhança dos Sources Locais também os objectos/método existentes no WPMS podem ser disponibilizados como serviços web. Assim existe um report que possibilita a criação automática do WSDL respectivo, para cada um dos objecto/método seleccionados, baseado nos parâmetros de
entrada e de saída de cada um. Report referido pode ser encontrado em:

Global ->Instalação -> Adaptações Locais -> Objecto/Método com Protocolo de Dados [IG026]

Para adicionar um objecto/método deve-se usar o botão .

Aqui há que indicar:

Objecto: Objecto ao qual o método pertence; Método: Método que se quer disponibilizar; Sistema Externo: Sistema externo que irá ser invocado para se poder aceder ao método em questão;
Protocolo de Dados: Protocolo de dados a ser utilizado na invocação; Endereço Sistema Remoto: IP que será verificado como origem da chamada.

Depois de introduzidos os dados os mesmos devem ser guardados utilizando o botão .

Para finalizar deve-se gerar o WSDL para o objecto/método pretendido, usando o botão .