Voltas associadas a reservas expedidas sem mensagem TOUR

1º Aceder ao TR003 com a volta em causa e descobrir o armazém;

2º Abrir o utilitário http://10.1.1.133/utility/RUN_SendMsgTour.php e preencher o armazém e a volta;

image.png

3º Clicar em Enviar criando assim a mensagem TOUR;

Para confirmar, podemos aceder às transações de interface e verificar se a mensagem TOUR foi criada com sucesso.

image.png
image.png

Restricted content

Aqui ... só depois do login!

Fazer restore de apenas uma tabela em Oracle

Os ficheiros de backup são extraidos todas as madrugadas para apenas as tabelas T’ e ficam na pasta /root/backups_isretail proprietários do utilizador root.

Devemos copiar o ficheiro para uma pasta que o utilizador oracle tenha acesso sem problemas, sugerimos a pasta /home/oracle.

mv /root/backups_isretail/nomeficheiro.dmp /home/oracle/nomeficheiro.dmp

cd /home/oracle/

chown oracle:dba nomeficheiro.dmp

su -l oracle

sqlplus username/password

Antes de importarmos podemos fazer rename da tabela existente para no caso de ser necessário

RENAME table-Name TO new-Table-Name;

quit

imp username/password@schema file=/home/oracle/nomeficheiro.dmp tables=nomeTabela ignore=y STATISTICS=RECALCULATE

Exemplo de comando para importar a tabela T0020. Nota no comando não foi passado a password que será pedida a seguir pelo próprio comando, assim evitamos que a password fique no histórico dos comandos.

imp eve@EVE file=/home/oracle/T_all_20210406.dmp tables=T0020 ignore=y STATISTICS=RECALCULATE

No final, no SD002 fazer atualizar a tabela que importamos para recriar os indices.

Novo processo de carga

Filas de Trabalho – Definição e Best Practices

Objectivos e Âmbito

Quando estamos perante uma instalação com múltiplos armazéns, torna-se particularmente importante poder segmentar os trabalhos gerados pelas atividades dos mesmos de forma a evitar congestionamentos.

O presente documento, além de explicar como criar e determinar as filas de trabalho, alerta sobre a necessidade que alguns trabalhos têm: como obrigatoriedade de correr na mesma fila para evitar situações de erro, tais como bloqueios de base de dados, etc..

Criação das filas de trabalho

Definir uma nova fila de trabalho ou alterar uma que já exista, pode ser feito na acção IG009: Lista Filas de trabalhos.

Além do código e da descrição, é possível definir o limite de memoria que o processo poderá utilizar: a gestão dos recursos dos servidores é uma tarefa importante da administração técnica.

Determinação das filas de trabalho

A determinação das filas de trabalho é efetuada na ação IG018.

As possibilidades são numerosas e permitem soluções mais simples – por exemplos todos os trabalhos de um certo grupo de utilizadores irão para a mesma fila – ou mais complexas: o trabalho especifico de um utilizador determina uma fila especial.

Os parâmetros disponíveis e combinados em varias formas nas sessões são:

  • o utilizador que submeteu o trabalho
  • o grupo ao qual o utilizador que submeteu o trabalho pertence
  • só para os trabalhos submetidos a partir de unidades de trabalho são disponíveis o código de armazém e a equipa
  • o objecto/método que identifica o trabalho submetido
  • o parâmetro associado ao objecto/método

Para descobrir qual o objecto/método associado ao tipo de trabalho especifico é necessário acesso á acção IA005: Lista de Trabalhos.

Identificar o tipo de trabalho para o qual se pretende uma determinação
Visualizar o detalhe onde aparece o nome do objecto e do método

A utilização do parâmetro do objecto/método permite, em certas configurações, reduzir o esforço de parametrização: se por exemplo existem grupos de utilizadores que lançam os processamentos por vários armazéns, é possível decidir de utilizar o parâmetro “Estabelecimento” para determinar a fila.

Neste exemplo o trabalho de anulação do processamento, quando o valor do parâmetro é “5401” vai utilizar a fila “5490 04”.

Definição do parâmetro do objecto/método

Os parâmetros que se pretendem utilizar são geridos na acção IG016: Parâmetros para determinação da fila.

Por cada objecto/método só é possível definir um parâmetro entre aqueles disponíveis.

Neste exemplo é possível escolher, no tratamento das mensagens de interface, entre as 5 chaves presentes nas próprias mensagens.

Parâmetros para mensagens de interface

No caso das mensagens de interface, é frequente a utilização das chaves de pesquisa como parâmetros para determinação da fila de tratamento.

Lembrete: as chaves são definidas na própria mensagem para o sistema externo especifico na “Lista de Sistemas Externos (IG004):

Neste exemplo estamos a preencher a primeira chave de pesquisa de uma mensagem de tipo EXTDOC com o estabelecimento de partida (no caso dos pedidos representa o armazém). Ainda era possível declarar um valor fixo.

Evitar conflitos e bloqueios

Quando as filas não são geridas corectamente, é possível o aparecimento de bloqueios na base de dados ou congestionamentos.

Se dois trabalhos de processamento do mesmo armazém correm ao mesmo tempo em filas distintas: é provável que tentem utilizar o mesmo stock disponível. Criando problemas.

Quando existe alguma dinâmica e só uma fila por armazém não se aconselha, para evitar longas esperas, sugerimos a criação de 4 filas separadas.

Evidentemente estamos perante a um quadro genérico que deve ser analisado a luz da instalação especifica.

Fila A – Expedição

Objectos->métodos para os quais é oportuno determinar a fila das expedições:

  • FAPLOG102_dispatchContainers
  • FAPLOG201_closeProcDoc
  • FAPLOG510_checkDifQuant
  • FAPLOG520_createTravelDoc2Trans
  • FAPLOG520_createTravelDocBatch
  • FAPLOG520_printTravelDocBatch
  • FAPLOG520_printTravelDocument
  • FAPLOG940_dispatchVolumes
  • FAPLOG940_transferTourLeftovers
Fila B – Outros

Objectos->métodos para os quais é oportuno determinar uma fila generica:

  • FAPLOG290_switchWarehouseStatistics
  • FAPLOG230_createArticleInvDocument
  • FAPLOG230_createArticleZeroDocument
  • FINADM03_timesJobsExtractor
  • FAPLOG290_loadContainerDiary
  • FAPLOG290_warehouseCostSpaceAnalisy
  • FINADM02_garbageCollection
  • FAPLOG290_warehouseMovementCostAnalisy
  • FINADM01_auxInterfaceIn
  • FAPLOG510_rePrintTransportationNote
Fila C – Processamento

Objectos->métodos para os quais é oportuno determinar a fila de processamento:

  • FAPLOG220_completRequestProcessing
  • FAPLOG230_createDefiniteDocBatch
  • FAPLOG510_createTripBookBatch
  • FAPLOG401_autoPickProcRec
  • FAPLOG940_genExplodedRoutesBatch
Fila D – Posting

Objectos->métodos para os quais é oportuno determinar a fila dos posting:

  • FAPLOG101_putAwayInRec
  • FAPLOG701_postGoodsDelivery
  • FAPLOG701_postGoodsReturn
  • FAPLOG701_postOtherMovements
  • FAPLOG910_confirmInventoryDocument
  • FAPLOG950_preInvPosting
  • FAPRFS002_closePhisicRecRF
  • FAPLOG601_putawayBySteps
  • FAPLOG310_autoAdminRec
  • FAPLOG101_closeIntMovement
  • FAPLOG410_recAdminBatch
  • FAPLOG103_resetRFqtt
  • FAPLOG701_postExternalDoc
  • FAPLOG101_closeExtMovement
  • FAPLOG401_endPhisicReceiving
  • FAPLOG910_prepareStock2Inventory
Quadro resumo

Abaixo o quadro resumo com a fila e a prioridade sugerida:

Objecto/Método TrabalhoFilaPrioridade
Obrigatória
Prioridade
Sugerida
FAPLOG102_dispatchContainersA90
FAPLOG201_closeProcDocA50
FAPLOG510_checkDifQuantA10
FAPLOG520_createTravelDoc2TransA90
FAPLOG520_createTravelDocBatchA50
FAPLOG520_printTravelDocBatchA50
FAPLOG520_printTravelDocumentA50
FAPLOG940_dispatchVolumesA90
FAPLOG940_transferTourLeftoversA90
FAPLOG290_switchWarehouseStatisticsB50
FAPLOG230_createArticleInvDocumentB50
FAPLOG230_createArticleZeroDocumentB50
FINADM03_timesJobsExtractorB50
FAPLOG290_loadContainerDiaryB50
FAPLOG290_warehouseCostSpaceAnalisyB50
FINADM02_garbageCollectionB50
FAPLOG290_warehouseMovementCostAnal
isy
B50
FINADM01_auxInterfaceInB50
FAPLOG510_rePrintTransportationNoteB50
FAPLOG220_completRequestProcessingC50
FAPLOG230_createDefiniteDocBatchC50
FAPLOG510_createTripBookBatchC50
FAPLOG401_autoPickProcRecC50
FAPLOG940_genExplodedRoutesBatchC50
FAPLOG101_putAwayInRecD50
FAPLOG701_postGoodsDeliveryD50
FAPLOG701_postGoodsReturnD50
FAPLOG701_postOtherMovementsD50
FAPLOG910_confirmInventoryDocumentD50
FAPLOG950_preInvPostingD50
FAPRFS002_closePhisicRecRFD50
FAPLOG601_putawayByStepsD50
FAPLOG310_autoAdminRecD50
FAPLOG101_closeIntMovementD50
FAPLOG410_recAdminBatchD50
FAPLOG103_resetRFqttD50
FAPLOG701_postExternalDocD50
FAPLOG101_closeExtMovementD50
FAPLOG401_endPhisicReceivingD50
FAPLOG910_prepareStock2InventoryD50

Recuperação KPI’s de Stock


Problema:


Os agendamentos que contabilizam os indicadores de stock, podem não correr à hora prevista, quando os serviços param, ou quando os trabalhos ficam na fila.

Procedimento da solução:

Recuperação da Base dados

1º Aceder aos backups da base dados do EVE na Zolve qualidade;

2º Caso se pretenda criar o backup noutro ambiente, copiar o backup para o servidor onde queremos restaurar a base dados;

scp /isretail/backups/EveGY_fullDB_20210303.sql.gz isretail@192.168.45.222:/www/htdocs/Wpms/tmp/archives/

3º Descomprimir o ficheiro de backup da base dados;

unzip  /www/htdocs/Wpms/tmp/archives/EveGY_fullDB_20210303.sql.gz

4º Restauro da Base dados de backup criando uma nova;
mysql -u root -p tmp-eve < /www/htdocs/Wpms/tmp/archives/EveGY_fullDB_20210303.sql

Recalculo e exportação dos indicadores

Aceder ao IG019 – lançar o utilitário que irá ler a nova base de dados para gerar e exportar os KPIS desse backup para ficheiro CSV.


“MF02 – Gera e Exporta indicadores Stock[D0433] do ficheiro CSV”

Localsource: exportFileKPIStock.php – este está adaptado para à base dados temporária;

Fazer download do ficheiro CSV gerado que contém os indicadores de stock.

Importação dos indicadores

No ambiente de Produção aceder ao IG019 e lançar o utilitário para fazer a comparação e atualizar se necessário:
“MF10 – Compara/Atualiza os indicadores Stock[D0433] do ficheiro CSV”

Localsource: importFileKPIStock.php

Escolhe-se a data que estamos a verificar e na qual temos os dados no nosso ficheiro.

O sistema apresenta a comparação do que existe na base dados e no ficheiro de dados.

Devemos piscar o “Atualizar” sempre que pretendemos reescrever os dados do ficheiro na tabela D0433.

Comparação dos indicadores

Resultado final esperado, que os valores dos ficheiros seja iguais para os da tabela D0433 (Valores Ficheiro,Valor KPI D0433)

Criar a classificação do fluxo

Instruções

1 – Criar uma classificação de objeto nova no AG005.

A definição da classificação pode ser o que pretender; os restantes parâmetros devem ser configurados conforme a imagem.

2 – De seguida, criar os grupos da classificação. Para tal, clicar no botão

Na imagem, encontram-se os grupos de classificação que foram criados no nosso sistma: JIT e STOCK.


3 – Posteriormente, no AL101, adicionar a classificação aos fluxos.

Após selecionar o(s) fluxo(s) pretendido(s), clicar na opção apresentada na imagem a amarelo.

Por fim, ligar os fluxos à classificação.

Manual for EVE Installation

This release of the manual describe the installation process in a Linux Red Hat Advance Server or CentOS versions 7.8 for:

  • Apache 2.4.58
  • PHP 7.0.33
  • Oracle 19.6
  • CouchBase 6.5.1

We assume that the media to install the OS was “minimal install” type.

Create OS user

To clearly identify our processes we are going to create a group and an user:

  • groupadd isretail
  • useradd -g isretail eve
  • passwd eve

Network

To avoid problems during installation or while running the system we suggest check the following configuration files:

  • /etc/hostname where you should be defined the server name
  • /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0/1/… where IP address is defined
  • /etc/hosts where can be defined the address for servers name when no complex DNS services are uses

These files are also to be remembered when a clone of a VM is the base of a new installation.

Firewall rules are also important if you prefer to mantain the firewall service active:

  • check in which zone we are (normally public) with firewall-cmd –get-active-zones
  • list the services with firewall-cmd –zone=public –list-services
  • add the services we need: firewall-cmd –zone=public –add-service=http
  • and make it permanent: firewall-cmd –zone=public –add-service=http –permanent

You may want to do the same for https service and other ports; for example if you need to open port 1235: firewall-cmd –zone=public –add-port=1235/tcp. Remeber to use “–permanent” for definition that must exist after reboot.

Update and Install packages

OS must be up to date and the following packages must be installed:

  • yum update
  • yum groupinstall “Development Tools” -y
  • yum install pcre-devel -y
  • yum install openssl-devel -y
  • yum install libxml2-devel -y
  • yum install libcurl-devel -y
  • yum install libjpeg-devel -y
  • yum install libpng-devel -y
  • yum install freetype-devel -y
  • yum install memcached -y
  • yum install pkgconfig -y
  • yum install openssl098e -y
  • yum install epel-release -y
  • yum install libmcrypt libmcrypt-devel -y
  • yum install mcrypt -y
  • yum install mhash -y
  • yum install wget -y

After this:

  • mkdir -p /root/install
  • cd /root/install

Apache installation

Please run the following commands from console:

  • wget –no-check-certificate https://dlcdn.apache.org/httpd/httpd-2.4.58.tar.gz
  • wget –no-check-certificate https://dlcdn.apache.org/apr/apr-1.7.4.tar.gz
  • wget –no-check-certificate https://dlcdn.apache.org/apr/apr-util-1.6.3.tar.gz
  • wget –no-check-certificate https://github.com/libexpat/libexpat/releases/download/R_2_5_0/expat-2.5.0.tar.gz
  • tar -zxvf httpd-2.4.58.tar.gz
  • tar -zxvf apr-1.7.4.tar.gz
  • tar -zxvf apr-util-1.6.3.tar.gz
  • tar -zxvf expat-2.5.0.tar.gz
  • mv apr-1.7.4 httpd-2.4.58/srclib/apr
  • mv apr-util-1.6.4 httpd-2.4.58/srclib/apr-util
  • cd /root/install/expat-2.5.0
  • ./configure
  • make
  • make install
  • cd /root/install/httpd-2.4.58
  • ./configure –prefix=/www –with-mpm=prefork –enable-so –enable-rewrite –enable-vhosts-alias –enable-ssl –enable-modules=’unique-id’ –with-included-apr –with-expat=/usr/local
  • make
  • make install
  • vi /www/conf/httpd.conf to set some parameters:
    • Listen 192.168.45.223:80
    • Listen 192.168.45.223:1235 (if you need for voice)
    • LoadModule deflate_module modules/mod_deflate.so
    • LoadModule expires_module modules/mod_expires.so
    • LoadModule proxy_module modules/mod_proxy.so
    • LoadModule proxy_fcgi_module modules/mod_proxy_fcgi.so
    • LoadModule slotmem_shm_module modules/mod_slotmem_shm.so
    • LoadModule rewrite_module modules/mod_rewrite.so
    • User eve
    • Group isretail
    • ServerName [hostname]
    • before DocumentRoot “/www/htdocs”
      • <FilesMatch \.php$>
      • SetHandler “proxy:fcgi://127.0.0.1:9000”
      • </FilesMatch>
    • inside directory “/www/htdocs”
      • AllowOverride All
    • end of file:
        • ExpiresActive On
        • ExpiresByType image/x-icon “access plus 15 days”
        • ExpiresByType image/gif “access plus 15 days”
        • ExpiresByType image/png “access plus 15 days”
        • ExpiresByType image/jpg “access plus 15 days”
        • ExpiresByType image/jpeg “access plus 15 days”
        • ExpiresByType text/css “access plus 15 days”
        • ExpiresByType application/javascript “access plus 15 days”
      • </IfModule>
        • SetOutputFilter DEFLATE
        • DeflateCompressionLevel 9
        • BrowserMatch ^Mozilla/4 gzip-only-text/html
        • BrowserMatch ^Mozilla/4.0[678] no-gzip
        • BrowserMatch \bMSI[E] !no-gzip !gzip-only-text/html
        • SetEnvIfNoCase Request_URI (?:gif|jpe?g|png|swf)$ no-gzip dont-vary
      • </IfModule>
        • ProxySet timeout=600000
        • ProxyPassMatch ^/(..php(/.)?)$ fcgi://127.0.0.1:9000/www/htdocs/$1
        • ProxyPassMatch ^/(status?)$ fcgi://127.0.0.1:9000/www/htdocs/$1
        • SetEnvIf Authorization “(.)” HTTP_AUTHORIZATION=$1
        • SetEnvIf Content-Type “(.)” HTTP_CONTENT_TYPE=$1
        • SetEnvIf Accept “(.*)” HTTP_ACCEPT=$1
      • </IfModule>
      • ExtendedStatus On
        • SetHandler server-status
        • Order Deny,Allow
        • Deny from all
        • Allow from all
      • </Location>
      • AddDefaultCharset Off

Database connections

Before install PHP engine we need to get a client for the database we are going to access.

Oracle client

This step is necessary if you want to access an Oracle Database Server installed in a different machine. If database and application servers are the same you don’t need to.

First obtain from Oracle site the client and the development libraries, then install.

  • wget https://download.oracle.com/otn_software/linux/instantclient/19600/oracle-instantclient19.6-basic-19.6.0.0.0-1.x86_64.rpm
  • wget https://download.oracle.com/otn_software/linux/instantclient/19600/oracle-instantclient19.6-devel-19.6.0.0.0-1.x86_64.rpm
  • rpm -ivh oracle-instantclient19.6*
  • create a tnsnames.ora file in /usr/lib/oracle/19.6/client64/network/admin

MySQL client

Since PHP 5.4 there is no need to install MySQL client libraries since the MySQL native driver is embedded in the PHP extension.

PHP and modules

The version we are going to install is 7.0.33

Some changes to the configure command suggested may be needed; for example:

  • –with-oci8=instantclient,/usr/lib/oracle/19.6/client64/lib if you are using the instant client from oracle
  • –with-mysqli instead of –with-oci8 if you are using MySQL instead of Oracle

In our case we have Oracle Server in the same machine; so:

PHP

  • wget https://www.php.net/distributions/php-7.0.33.tar.gz
  • tar -zxvf php-7.0.33.tar.gz
  • cd php-7.0.33
  • ./configure –prefix=/usr/local –with-libdir=/lib64 –enable-fpm –with-xmlrpc –with-iconv –enable-sockets –enable-mbstring –with-curl –with-gd –enable-soap –with-freetype-dir=/usr/local/lib –with-mcrypt=/usr/lib64 –with-openssl –enable-pcntl –enable-posix –enable-shmop –enable-sysvsem –enable-sysvshm –enable-sysvmsg –enable-sigchild –enable-zip –enable-opcache –with-jpeg-dir=/usr/local/lib –with-png-dir=/usr/local/lib64 –with-zlib-dir=/usr/local/lib64 [–with-oci8=$ORACLE_HOME]
  • make && make install
  • cp php.ini-development /usr/local/lib/php.ini and adapt; about usefull settings:
    • max_execution_time = 300
    • max_input_vars = 10000
    • memory_limit = 256M
    • error_reporting = E_ALL & ~E_DEPRECATED & ~E_STRICT & ~E_NOTICE
    • display_errors = Off
    • ignore_repeated_errors = On
    • error_log = /www/logs/php_errors.log
    • upload_max_filesize = 4M
    • session.gc_maxlifetime = 3600 (very important since it is used in EVE to decide after how much inactivity an user should re-login)
    • output_buffering = Off
  • cp ./sapi/fpm/init.d.php-fpm /etc/init.d/php-fpm
  • chmod +x /etc/init.d/php-fpm
  • cp ./sapi/fpm/status.html /www/htdocs/
  • chown eve.isretail -R /www/htdocs/
  • chkconfig php-fpm on
  • cd /usr/local/etc/
  • cp php-fpm.conf.default php-fpm.conf
  • vi php-fpm.conf and adapt; some settings that can be useful:
    • error_log = log/php-fpm.log
    • log_level = notice
    • process.max = 128
  • cd /usr/local/etc/php-fpm.d
  • cp www.conf.default www.conf
  • vi www.conf; some settings that can be useful:
    • user = eve
    • group = isretail
    • pm.max_children = 35
    • pm.start_servers = 5
    • pm.max_requests = 100
    • pm.status_path = /status
    • slowlog = /tmp/$pool.log.slow
    • request_slowlog_timeout = 3s
    • env[HOSTNAME] = $HOSTNAME
    • env[PATH] = /usr/local/bin:/usr/bin:/bin
    • env[TMP] = /tmp
    • env[TMPDIR] = /tmp
    • env[TEMP] = /tmp
    • env[ORACLE_HOME] = /opt/oracle/product/19c/dbhome_1
    • env[LD_LIBRARY_PATH] = /opt/oracle/product/19c/dbhome_1/lib:/lib:/usr/lib
    • env[NLS_LANG] = american_america.UTF8
    • env[NLS_COMP] = LINGUISTIC
    • env[NLS_SORT] = GENERIC_M_AI
    • env[DOCUMENT_ROOT] = /www/htdocs

At this point if we start php-fpm and we use a phpinfo.php page … it should works.

To start php-fpm: systemctl start php-fpm.service

To restart php-fpm: systemctl restart php-fpm.service

To stop php-fpm: systemctl stop php-fpm.service

opcache

In production environment remember to enable opcache from php.ini.

echo zend_extension=opcache.so >> /usr/local/lib/php.ini

After restart, to verify if ok, execute the command php -i | grep opcache and some output should appear:

opcache.blacklist_filename => no value => no value
opcache.consistency_checks => 0 => 0
opcache.dups_fix => Off => Off
opcache.enable => On => On
opcache.enable_cli => Off => Off
opcache.enable_file_override => Off => Off
opcache.error_log => no value => no value
opcache.fast_shutdown => 0 => 0
opcache.file_cache => no value => no value

igbinary

  • cd /root/install
  • wget https://pecl.php.net/get/igbinary-3.1.2.tgz
  • tar -zxvf igbinary-3.1.2.tgz
  • cd igbinary-3.1.2
  • phpize
  • ./configure CFLAGS=”-O2 -g” –enable-igbinary –with-php-config=/usr/local/bin/php-config
  • make && make install
  • echo extension=igbinary.so >> /usr/local/lib/php.ini

After restart, to verify if ok, execute the command php -i |grep igbinary and the output should be:

igbinary
igbinary support => enabled
igbinary version => 3.1.2
igbinary APCu serializer ABI => no
igbinary session support => yes
igbinary.compact_strings => On => On
Registered serializer handlers => php_serialize php php_binary igbinary

memcache

  • cd /root/install
  • wget https://pecl.php.net/get/memcache-4.0.5.2.tgz
  • tar -zxvf memcache-4.0.5.2.tgz
  • cd memcache-4.0.5.2
  • phpize
  • ./configure
  • make && make install
  • echo extension=memcache.so >> /usr/local/lib/php.ini

After restart, to verify if ok, execute the command php -i |grep memcache and the output should be:

memcache
memcache support => enabled
memcache.allow_failover => 1 => 1
memcache.chunk_size => 32768 => 32768
memcache.compress_threshold => 20000 => 20000
memcache.default_port => 11211 => 11211
memcache.hash_function => crc32 => crc32
memcache.hash_strategy => consistent => consistent
memcache.lock_timeout => 15 => 15
memcache.max_failover_attempts => 20 => 20
memcache.prefix_host_key => 0 => 0
memcache.prefix_host_key_remove_subdomain => 0 => 0
memcache.prefix_host_key_remove_www => 1 => 1
memcache.prefix_static_key => no value => no value
memcache.protocol => ascii => ascii
memcache.redundancy => 1 => 1
memcache.session_prefix_host_key => 0 => 0
memcache.session_prefix_host_key_remove_subdomain => 0 => 0
memcache.session_prefix_host_key_remove_www => 1 => 1
memcache.session_prefix_static_key => no value => no value
memcache.session_redundancy => 2 => 2
memcache.session_save_path => no value => no value

xdebug

Warning! This extension must always be declared after opcache when enabled.

  • cd /root/install
  • wget https://xdebug.org/files/xdebug-2.7.2.tgz
  • tar -zxvf xdebug-2.7.2.tgz
  • cd xdebug-2.7.2
  • phpize
  • ./configure –enable-xdebug
  • make && make install
  • echo zend_extension=/usr/local/lib/php/extensions/no-debug-non-zts-20151012/xdebug.so >> /usr/local/lib/php.ini

After restart, to verify if ok, execute the command php -i |grep xdebug and the output should be:

xdebug
xdebug support => enabled
xdebug.auto_trace => Off => Off
xdebug.cli_color => 0 => 0
xdebug.collect_assignments => Off => Off
xdebug.collect_includes => On => On
xdebug.collect_params => 0 => 0
xdebug.collect_return => Off => Off
xdebug.collect_vars => Off => Off
xdebug.coverage_enable => On => On
xdebug.default_enable => On => On
xdebug.dump.COOKIE => no value => no value
xdebug.dump.ENV => no value => no value
xdebug.dump.FILES => no value => no value
xdebug.dump.GET => no value => no value
xdebug.dump.POST => no value => no value
xdebug.dump.REQUEST => no value => no value
xdebug.dump.SERVER => no value => no value
xdebug.dump.SESSION => no value => no value
xdebug.dump_globals => On => On
xdebug.dump_once => On => On
xdebug.dump_undefined => Off => Off
xdebug.extended_info => On => On
xdebug …

xls2csv – catdoc

To import xls files we need the catdoc package:

  • yum install catdoc -y

Couchbase

With EVE we are going to use more and more NoSQL databases: the immediate purpose is performance; but in the future we cannot exclude some advantages of this kind of approach: geographical distribution, smaller DB server and upgrade on running environments.

The community edition is enough to work with; since we are in a development environment and we can legally install the enterprise edition that give some tools about query analysis and monitoring we will use this one.

  • wget https://packages.couchbase.com/releases/6.5.1/couchbase-server-enterprise-6.5.1-centos7.x86_64.rpm
  • yum install couchbase-server-enterprise-6.5.1-centos7.x86_64.rpm -y
  • firewall-cmd –zone=public –add-port=8091-8092/tcp –permanent
  • firewall-cmd –zone=public –add-port=4396/tcp –permanent
  • firewall-cmd –zone=public –add-port=21100-21199/tcp –permanent
  • firewall-cmd –zone=public –add-port=11209-11211/tcp –permanent
  • firewall-cmd –reload
  • in the browser go to: http://192.168.45.223:8091/ui/index.html
Setup New Cluster
Choose a cluster name and a password: for example “EVE” and “isretail”
Accept terms and go to “Configure Disk…”
Example of configuration 1. Don’t use 127.0.0.1 but the host name or the ip address.
Example of configuration 2

After this step you can add the user “eve” from the dashboard and assign a password.

Now the php client:

  • vi /etc/yum.repos.d/couchbase-Base.repo

[couchbase-server]
name=Couchbase Server
baseurl=http://packages.couchbase.com/releases/couchbase-server/enterprise/rpm/$releasever/$basearch/
enabled=1
s3_enabled=1
gpgcheck=1
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/GPG-KEY-COUCHBASE-1.0

[couchbase-server-community]
name=Couchbase Server (Community Edition)
baseurl=http://packages.couchbase.com/releases/couchbase-server/community/rpm/$releasever/$basearch/
enabled=1
s3_enabled=1
gpgcheck=1
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/GPG-KEY-COUCHBASE-1.0

[couchbase-sdk]
name = Couchbase SDK package repository
baseurl = http://packages.couchbase.com/rpm/$releasever/$basearch
enabled = 1
gpgcheck = 1
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/GPG-KEY-COUCHBASE-1.0

  • yum update
  • cd /root/install
  • yum install libcouchbase-devel libcouchbase2-libevent -y
  • wget https://pecl.php.net/get/couchbase-2.6.2.tgz
  • tar -zxvf couchbase-2.6.2.tgz
  • cd couchbase-2.6.2
  • phpize
  • ./configure
  • make && make install
  • echo extension=couchbase.so >> /usr/local/lib/php.ini

After restart, to verify if ok, execute the command php -i |grep couchbase and the output should be:

couchbase
couchbase support => enabled
libcouchbase runtime version => 2.10.6 (git: 61e274aae48b6edeecb081afec843dbe31d72790)
libcouchbase headers version => 2.10.6 (git: 61e274aae48b6edeecb081afec843dbe31d72790)
couchbase.decoder.json_arrays => 0 => 0
couchbase.encoder.compression => off => off
couchbase.encoder.compression_factor => 0.0 => 0.0
couchbase.encoder.compression_threshold => 0 => 0
couchbase.encoder.format => json => json
couchbase.log_level => WARN => WARN
couchbase.pool.max_idle_time_sec => 60 => 60

Automatic Test System

  • yum install java-1.8.0-openjdk
  • wget https://github.com/katalon-studio/katalon-studio/releases/tag/v6.3.2
  • tar -xf Katalon_Studio_Linux_64-6.3.2.tar.gz
  • wget http://www.isretail.eu/wp-content/uploads/download-manager-files/google-chrome-stable-76.0.3809.132-1.x86_64.rpm
  • yum install google-chrome-stable-76.0.3809.132-1.x86_64.rpm

Extras

printer handling via IP001

To allow start and stop of a printer via IP001, the group of the user “eve” – “isretail” – must be allowed to the commands:

  • edit the file “/etc/cups/cups-files.conf”
  • add “isretail” to the line: “SystemGroup sys root wheel”
  • the result should be “SystemGroup sys root wheel isretail”
  • restart cups with “systemctl restart cups”

syntax highlight in vi

  • yum -y install vim-enhanced
  • echo alias vi=vim >> /etc/profile.d/vi.sh

Lista da informação documentada

CódigoDescriçãoEdiçãoData               

Procedimento de gestão

PG-01Controlo da informação documentada32018-05-01
PG-02Não atribuído

PG-03Auditorias internas32018-05-01
PG-04Controlo de saídas não conformes22018-05-01
PG-05Não conformidades e ações corretivas32018-05-01
PG-06Não atribuído

PG-07Revisão pela gestão22018-05-01
PG-08Planeamento do sistema de gestão da qualidade22018-05-01
PG-09Competências, funções e responsabilidades22018-05-01
PG-10Comunicação22018-05-01
PG-11Formação32018-05-01
PG-12Gestão de recursos humanos22018-05-01
PG-13Gestão das infraestruturas e do ambiente de trabalho22018-05-01
PG-14Avaliação da satisfação dos Clientes22018-05-01
PG-15Avaliação do desempenho dos Colaboradores22018-05-01

Procedimentos operacionais

PO-01Gestão comercial32018-05-01
PO-02Tratamento de reclamações22018-05-01
PO-03Compras ao exterior22018-05-01
PO-04Qualificação e avaliação de Fornecedores externos22018-05-01
PO-05Conceção de soluções52018-05-01
PO-06Consultoria32018-05-01

Workflow’s

WF_04-01Gestão de desenvolvimento (Workflow)22018-01-03
WF_04-02Gestão de erros (Workflow)22018-01-03
WF_04-03Pedido de esclarecimento (Workflow)22018-01-03
WF_04-04Pedido de intervenção (Workflow)22018-01-03

Formulários

FORM-01Lista da informação documentada22018-05-01
FORM-02Registo de distribuição de documentos12011-03-30
FORM-03Registo de assinaturas e rubricas12011-03-30
FORM-04Ficha de função12011-03-30
FORM-06Plano de objetivos12011-03-30
FORM-07Mapa de controlo do planeamento do SG22018-05-01
FORM-08Ficha de processo12011-03-30
FORM-09Questionário de avaliação da satisfação dos Clientes12011-06-15
FORM-10Ata de reunião12012-02-02
FORM-11Ficha de Não Conformidade / Pedido de ação corretiva / Preventiva / Melhoria12012-02-02
FORM-12Registo de formação interna12011-03-30
FORM-13Plano de ação12011-03-30
FORM-14Questionário de qualificação de Fornecedor12011-09-30
FORM-15Avaliação contínua de Fornecedor12011-09-30
FORM-16Lista de registos da qualidade12011-03-30
FORM-17Programa anual de auditorias12011-03-30
FORM-18Plano de auditoria12011-03-30
FORM-19Lista de verificação para auditoria interna (“Check List”)12012-02-20
FORM-20Relatório final de auditoria12011-03-30
FORM-21Ficha de reclamação12011-03-30
FORM-22Lista de Fornecedores qualificados12011-09-23
FORM-23Ficha de avaliação de desempenho22019-02-20
FORM-24Plano anual de formação12011-11-30
FORM-25Avaliação da eficácia da formação12011-11-30
FORM-27Registo de não conformidades e ações (ficheiro Excel)12012-05-08

Fichas de processo

FP-01Processo PC_01 – Gestão estratégica22018-05-01
FP-02Processo PC_02 – Gestão comercial22018-05-01
FP-03Processo PC_03 – Conceção de soluções32018-05-01
FP-04Processo PC_04 – Gestão de Clientes32018-05-01
FP-05Processo PC_05 – Gestão de recursos32018-05-01
FP-06Processo PC_06 – Gestão da melhoria22018-05-01

Regulamentos legais

DL 239/2003Estabelece o regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias.N/A4-Outubro
DL 145/2008Procede à primeira alteração ao DL 239/2003 de 4-outubro.N/A28-Julho
DL 147/2003Estabelece o regime de bens em circulação objeto de transações entre sujeitos passivos de IVA, nomeadamente quanto à obrigatoriedade e requisitos dos documentos de transporte que os acompanham.N/A11-Julho
Portaria 1192/2009Estabelece alterações aos procedimentos de exportação de dados no formato SAF-T (PT).N/A8-Outubro
Portaria 363/2010Regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC).N/A23-Junho
CIRCCódigo do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (Artigo 123º).N/AEm vigor
RGITRegime Geral das Infrações Tributárias (Artigos 123º e 128º).N/AEm vigor
Portaria
22-A/2012
Procede à primeira alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho. Regulamenta a utilização obrigatória de programas informáticos de faturação certificados e a emissão de documentos por equipamentos ou programas não certificados.N/A2012-01-24
Ofício Circulado 50000/2012Requisitos técnicos a que se refere a al. e) do artigo 3.º da Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, com a redação dada pela Portaria n.º 22-A/2012, de 24 de Janeiro.N/A2012-01-26
DL 198/2012 Dados Doc transporteComunicação_Dados_Doc_Transporte à ATN/A2013-02-19
DL 198/2012 Dados faturaComunicação_Dados_Doc_Fatura à ATN/A2012-12-26
DL 198/2012 contrato adesãoContrato de adesãoN/A2012-12-10
DL 198/2012 regulamentosRegulamentos de Execução na UE da Comissão – Rastreabilidade hortícolasN/A2011-06-15
DL 198/2012Decreto-Lei n.º 198-2012, de 24 de AgostoN/A2012-08-24
DL 198/2012 Especificações WebserviceFactemiws_Especificações para o webservice faturas AT.wsdlN/A2012-11-12
DL 198/2012 Orçamento EstadoLei nº 66-B/2012 – Orçamento de Estado 2013N/A2012-12-31
DL 198/2012 Ofício_circulado_30136_2012Ofício_circulado_30136_2012 – sobre IVA DL 197/2012 de 24 de Agosto – Novas regras de faturação.N/A2012-11-19
DL 198/2012 Portaria 22A_2012Portaria 22A_2012 – Utilização de programas de faturação.N/A2012-01-24
DL 198/2012 portaria 382Portaria 382_2012 SAFT-PTN/A2012-11-23
DL 198/2012 Portaria_426APortaria n_426-A_2012 – Aprova modelo oficial para transmissão dados da fatura.N/A2012-12-28
Portaria 363_2010 Regras técnicas1_Aditamento_Especificação_regras_técnicas para a certificação de software.N/A2010-06-23
Portaria 363_2010 Regras técnicasEspecificação_regras_técnicas para a certificação de software.N/A2010-06-23
Portaria 363_2010 RGIT Artigo 123ºRGIT Artigo 123º – Violação da exigência de emitir ou exigir fatura ou recibo.N/A2012-04-16
ManualManual de Integração de Software – Comunicação dos Documentos de Transporte à ATN/A2013-04-16
Portaria 161_2013Alterações ao regime de circulação de bensN/A2013-04-23
Of. Circulado 50.001_2013Requisitos técnicos a que se refere a al. e) do artigo 3.º da Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, com a redação dada pela Portaria n.º 22-A/2012, de 24 de Janeiro e pela Portaria n.º 160/2013, de 23 de Abril.N/A2013-07-08
Portaria 160_2013Alterações à estrutura do ficheiro SAFT-PTN/A2013-07-18
Portaria 274_2013Alterações às normas de extração do ficheiro SAFT-PTN/A2013-08-22
Of. Circulado 30150_2013Regime de IVA de CaixaN/A2013-08-30
Portaria 340_2013Quarta alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho que regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas ColetivasN/A2013-11-26
Despacho_8631_2014Processo de identificação (assinatura) dos documentos e subsequente gravação nas bases de dadosN/A2015-06-08
Despacho_n._21994-99Guias de transporte terrestre.N/A2015-06-08
Nova_Estrutura_SAFTFicheiro xml.N/A2015-06-08
Portaria_2_2015Controlo da emissão e transmissão de faturas e outros documentos com relevância fiscal.N/A2016-06-22
Reg_bens_circ-OE_2015Regime regulador dos documentos que devem acompanhar as mercadorias.N/A2016-06-22
Regulamento (CE) nº853_2004Estabelece regras de higiene para géneros alimentícios de origem animal.N/A2016-06-22
N/ADecreto Lei 28_20192019-03-10
N/ADespacho_SEAF_85_20192019-03-10
N/APortaria_144_20192019-09-24

Normas

N/ANP EN ISO9000:2015 – Sistemas de gestão da qualidade. Fundamentos e vocabulário.3.ª2015-12-15
N/ANP EN ISO9001:2015 – Sistemas de gestão da qualidade. Requisitos.4.ª2015-10-14
N/ANP EN ISO9004:2019 – Gestão da qualidade. Qualidade de uma organização. Linhas de orientação para atingir o sucesso sustentado.2.ªFev-2019
N/ANP EN ISO19011:2019 – Linhas de orientação para auditorias a sistemas de gestão.Maio-2019
N/AISO/IEC 19770-1:2006 – Information technology – Software asset management. Part 1: Processes1st2006-05-01

Fichas de função

FORM-04Analista Funcional (AF)22014-06-18
FORM-04Técnico Programador (TP)12011-04-21
FORM-04Direção Financeira (DF)12011-04-21
FORM-04Direção Gestão de Clientes (DGC)12011-10-07
FORM-04Direção de Manutenção (DM)12011-04-21
FORM-04Direção de Marketing (DMK)12011-04-21
FORM-04Direção Técnica (DT)12011-04-21
FORM-04Gestor da Qualidade (GQ)12011-04-21
FORM-04Direção de Recursos Humanos (DRH)12011-04-21
FORM-04Serviços de Limpeza (SL)12011-04-21
FORM-04Serviços de Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST)12012-02-20
FORM-04Auditor Interno (AI)12012-02-20
FORM-04Responsável do Processo (RP)12012-02-20
FORM-04Gestor de Projeto (GP)12014-06-18

Manuais técnicos

MT_001Assinatura Digital de Documentos Fiscaisv12010-12-22
MT_002Carga Controladav22012-03-23
MT_003Exceções Temporáriasv12011-03-30
MT_004Gestão de Prioridade dos Abaixamentosv22012-03-23
MT_005Integração de Mensagens Externas com Leitura de uma Etiquetav12011-04-27
MT_006Touchwallv12010-11-29
MT_007Repor Execuçãov12011-09-01
MT_008Serviçosv12011-09-01
MT_009Live Upgradev22012-04-20
MT_010Rotas com Matrículasv12010-11-10
MT_011Amostragem Automática – Conferência de Mercadoriav12011-10-20
MT_012Impressões locaisv12012-01-31
MT_013Manutenção de base de dadosv12012-01-31
MT_014SPVv12012-02-07
MT_015Carga com emissão de guia de transportev12012-02-09
MT_016Capacidade do armazém em contentoresv12012-03-07
MT_017Menus e ações locaisv12012-03-08
MT_018Carga controlada e em paralelov12012-03-16
MT_019Medições de artigosv12012-04-12
MT_020Instruções do upgrade v2.0v22012-04-20
MT_021Receção/Execução Etiquetadorav12012-05-04
MT_022Equipamentosv12012-05-30
MT_023Protocolo de Dados Soapv12012-05-31
MT_024Conferência de Execuçãov22012-10-08
MT_025Obrigações Fiscaisv22012-08-21
MT_026Prova de Entregav12012-09-10
MT_027Auditoria de Receção por Amostragemv12012-10-13
MT_028Configuração TMSv12012-10-17
MT_029Reports Locaisv12012-11-30
MT_030Comunicação Dados da Fatura por WebServicev12012-08-21
MT_031Gestão Stock Quarentenav12013-02-06
MT_032Exceções Temporárias nas Paletesv12013-02-06
MT_033Centralizador Automático Artigosv12013-09-12
MT_034Devoluções com Regroupingv12013-09-03
MT_035Códigos de Barras 128 UCCv12013-10-30
MT_036Reorganizações e Agendamentosv12014-01-12
MT_037Retornos de Entregas a Clientesv12014-02-25
MT_038Devoluções a Fornecedor com Processo de Pickingv12014-03-24
MT_039Controle na Receçãov12014-03-24
MT_040WPMS – Reclamações de Lojav12014-07-02
MT_041Maintenance with Quantitiesv12014-08-07
MT_042Instalação PHP 5.5v12014-09-26
MT_043Log de Comunicações dos Documentos de Transportev12014-11-11
MT_044Comunicação de Inventário de Existências à ATv12014-12-15
MT_045Indicadores de Performance – KIDv12015-10-28
MT_046Processamento sem Planeamento de Transportes.v12015-10-10
MT_047Transferência_de_Contentoresv12015-10-28
MT_048Serviços Logísticosv22016-03-23
MT_049Escolha de Produtosv12016-01-04
MT_050Stocks Alternativosv22016-03-23
MT_051Produtividade Instantâneav12011-10-11
MT_052ASN X-Docking Fornecedorv12016-01-15
MT_053Testes das Modificações de Softwarev12016-05-16
MT_054Chaves Informação Extrav12013-01-14
MT_055Inventário em armazéns com operação contínua.v12016-11-18
MT_056Transfer between stock containers.v1Falta data
MT_057Generating letdown working units in PCv12016-10-18
MT_058Work Unit Actions Typesv12012-04-12
MT_059Contentores Marítimosv12012-04-12
MT_060Execução JIT – stock, stock JIT.v12016-01-15
MT_061Change expiration date for a container in PDTv12017-01-10
MT_062Analyze Picking Zerosv1Falta data
MT_063Transport Accessories and Article Expiration Date Control during Receiving Processv22017-04-05
MT_064Allocation Rule Changesv22017-04-12
MT_065Blocked Batch Elementsv12017-05-15
MT_066Multi Article Containersv12017-06-30
MT_067Carrier registration changesv12017-07-31
MT_068Extra Instructionsv12017-08-30
MT_069Barcodes for article identification (EAN13 and 128 UCC)v12017-12-11
MT_070Transport Containersv12018-01-03
MT_071Close the dayv12018-01-03
MT_072Pick Pallets to a Temporary Gatev12018-01-03
MT_073Other Movements RFv12018-01-29
MT_074Jobs timesv12018-01-29
MT_075Devolução Lojas ATs RFv12018-01-29
MT_076Stock Physical Batch Recordv12018-04-03
MT_077Driver Validationv12018-04-03
MT_078WPMS Transfer Between Stock Containersv12018-04-07
MT_079Dispatch and auto loadv12018-04-30
MT_080Resumo de AT’s no AL033v12018-04-30
MT_081Atualização Peso Contentores em Tempo Realv12018-07-09
MT_082Mandatory seal declarationv12018-12-05
MT_083Sistema de Propostas Automático de Reabastecimentov1N/T
MT_084Picking Stock Voicev12019-02-21
MT_085Faturação automática de Acessórios de Transporte (AT)v12019-02-27
MT_086Transfers between picking containers with TA declarationv12019-04-24
MT_087Receiving and Picking with Automatic Distributionv12019-03-xx
MT_088Sorting Containerv12019-05-07
MT_089Cálculo de distâncias dentro do armazémv12018-01-29

Folhetos promocionais



MKT_01Apresentação IS.Retail e WPMS – Modelo dossierv12014-06-18
MKT_02Apresentação IS.Retail e WPMS – Formato mono folha A4v12014-06-18
MKT_03Apresentação IS.Retail e WPMS – Formato cubo desdobrávelv12014-06-18
MKT_04Angola- IS.Retail e WPMS – Formato caderno A4v12014-06-18
MKT_05Colômbia- IS.Retail e WPMS – Formato caderno A4v12014-06-18
MKT_06Brasil- IS.Retail e WPMS – Formato caderno A4v12015-03-18

Vários

MSGQManual do sistema de gestão (MSG)1023-06-2019
N/AOrganigrama funcional32017-02-20
N/AOrganigrama nominativo102019-10-07
N/APolítica da qualidade (texto)22018-05-01
FORM-22Lista de Fornecedores qualificados102019-09-24
N/AEscala de Tratamento de Erros2019-01-03
FORM-16Lista de registos da qualidade52019-10-02








Não conformidades e ações corretivas

Objectivo

Estabelecer um processo sistemático de análise de dados e lançamento de ações corretivas, que visem a eliminação de causas de não conformidades, com a finalidade de evitar a repetição das mesmas e/ou minimizar os seus impactes e/ou consequências.

Campo de aplicação

Este procedimento aplica-se a todas as áreas funcionais da IS.RETAIL, onde se verifique a necessidade de correção / eliminação de problemas com impacto na qualidade dos produtos e serviços fornecidos a Cliente, ou com impacto na satisfação de outras Partes Interessadas.

O presente procedimento aplica-se igualmente ao lançamento de ações corretivas resultantes de eventuais reclamações recebidas de Clientes ou de outras Partes Interessadas (PI).

Documentos associados

PG-03 – Auditoria Interna

PG-04 – Controlo de saídas não conformes

Definições e abreviaturas

Não Conformidade (NC) – Não satisfação de um requisito. A definição abrange o desvio ou ausência de uma característica da qualidade ou elementos de um sistema de gestão relativamente aos requisitos especificados.

Conformidade – Satisfação de um requisito.

Acão Corretiva – Acão para eliminar a causa de uma não conformidade e para prevenir a sua recorrência. Uma não conformidade é uma situação indesejável. As ações corretivas têm por objetivo evitar a repetição da situação indesejável.

Correção – Ação para eliminar uma não conformidade detetada. Uma correção pode ser efetuada antes de, em conjunto com ou depois de uma ação corretiva.

Organização – Pessoa ou conjunto de pessoas que tem as suas próprias funções com responsabilidades, autoridades e relações para atingir os seus objetivos. Exemplo de organização: IS.RETAIL.

Parte Interessada (PI) ou Stakeholder – Pessoa ou organização que pode afetar, ser afetada por, ou considerar-se como sendo afetada por uma decisão ou atividade.

Root Cause Analysis (RCA) – Metodologia para a identificação da(s) causa(s) de um problema.

ADM Administração (Gestão de Topo)

GQ Gestor da Qualidade

SG Sistema de Gestão

Responsabilidades

QUEM?O QUÊ?
Administração (ADM)Determinar medidas para fazer cumprir as ações corretivas que evidenciem atrasos na execução.
Responsáveis de DepartamentoAssegurar que as ações corretivas estabelecidas são cumpridas de acordo com o respetivo plano, nomeadamente quanto aos seguintes aspetos: prazo de execução e eficácia da ação corretiva.
Todos os ColaboradoresPropor ações corretivas no âmbito das suas atividades específicas, em especial as ações que resultem da análise da informação gerada no decurso dessas atividades. Colaborar na execução / implementação das ações corretivas.
Gestor da Qualidade (GQ)Analisar mensalmente as ações corretivas em curso. Analisar fontes de informação que originem o lançamento de ações corretivas. Propor ações corretivas, nomeadamente em relação às atividades específicas da gestão da qualidade. Validar as ações corretivas propostas por outras entidades. Verificar a implementação e a eficácia das ações corretivas. Assegurar o controlo adequado (seguimento) das ações corretivas em curso. Proceder ao encerramento das ações corretivas. Informar a Administração sobre as ações corretivas em curso.

Procedimento

Generalidades

As ações corretivas desencadeadas são utilizadas como uma ferramenta de melhoria. O lançamento de ações corretivas decorre da necessidade de corrigir uma situação de não conformidade ou indesejável (ex: produto, material ou equipamento rececionado não conforme, serviço não conforme, reclamação de Cliente, situação anómala detetada em auditoria, produto não conforme, saída não conforme, informação resultante de análise e avaliação, etc.).

No planeamento de ações corretivas deve procurar-se identificar a causa original da não conformidade, para que a ação corretiva seja focada na eliminação dessa causa de raiz prevenindo-se assim a sua eventual repetição.

Na definição das ações corretivas deve procurar identificar-se e recolher informação relevante que permita selecionar uma solução apropriada e eficaz para a situação detetada.

Atendendo à natureza e impacto potencial (consequências) da não conformidade pode existir a necessidade de determinar a ação corretiva através de uma análise realizada por uma equipa de trabalho.

Face ao impacto do problema detetado pode existir a necessidade de avaliar o custo / investimento na ação corretiva correspondente.

Existem situações em que não sendo possível identificar a causa do problema (origem), a ação a lançar não será de natureza corretiva, mas sim uma simples correção, com vista a eliminar a não conformidade detetada.

As ações empreendidas podem incluir a correção, a prevenção (tratar riscos) ou a redução de efeitos não desejados.

Fluxograma

Procedimento

Identificação da não conformidade (Fase 1)

A identificação de uma não conformidade pode surgir na sequência de:

  • Análise e avaliação de dados e de informação resultante dos processos de monitorização e medição (ex: conformidade de produtos e serviços, grau de desempenho e eficácia do sistema de gestão, desempenho de fornecedores externos, etc.);
  • Registos de não conformidades internas (ex: materiais, produtos e equipamentos rececionados não conformes, produto ou serviço não conforme, ocorrências indesejáveis e relevantes verificadas nas atividades operacionais, saídas não conformes, etc.);
  • Relatórios de auditorias internas e externas;
  • Reclamações de Clientes;
  • Resultados da revisão pela gestão do sistema de gestão;
  • Resultados (eficácia) das ações empreendidas para tratar riscos e oportunidades;
  • Resultados da avaliação da satisfação dos Clientes;
  • Situações identificadas como anómalas, indesejáveis ou irregulares.

Todos os Colaboradores podem identificar situações anómalas ou irregulares surgidas no decorrer das suas atividades específicas.

Definição da ação corretiva (2)
Análise de causas

De uma forma geral, compete ao Gestor da Qualidade (GQ) a análise das fontes de informação atrás referidas e a definição de eventuais ações corretivas decorrentes dessa análise.

Para que uma ação corretiva possa ser eficaz é necessário que seja determinada a causa raiz da não conformidade que deu origem ao seu lançamento. A ação corretiva definida deve ser sempre focada na eliminação da(s) causa(s) da não conformidade de forma a evitar-se a sua repetição futura e não nos sintomas que caracterizam o problema (não conformidade). Esta abordagem permite que a probabilidade de reincidência do problema possa ser anulada ou, pelo menos, minimizada.

A técnica de análise das causas de raiz (RCA – Root Cause Analysis) é basicamente uma metodologia de resolução de problemas e baseia-se no princípio de que “os problemas são sempre melhor resolvidos quando são corrigidas ou eliminadas as suas causas”. No decurso da análise procura-se estabelecer relações de casualidade entre a(s) causa(s) identificada(s) e o problema definido.

De entre as ferramentas de análise destaca-se a conhecida por “5 Porquês” (ou “5-Why’s”). Baseia-se no seguinte conceito: Questionar, de forma iterativa, o porquê daquele problema, questionando a causa anterior.

Face à importância e ao impacte do problema / não conformidade em consideração, a análise pode ser realizada individualmente ou por uma equipa de trabalho nomeada.

Para que a análise possa ser eficaz é necessário que seja conduzida de forma sistemática, com as conclusões e as causas apoiadas por provas documentais ou evidências objetivas. Pode existir mais do que uma causa potencial face a um determinado problema.

Uma ação corretiva pode ser complementada por uma ação de contenção com vista à correção imediata da não conformidade. Trata-se neste caso de uma correção.

No preenchimento da Ficha de Não conformidade / Pedido de ação corretiva / Preventiva / Melhoria (FORM-11) devem ser registados os diferentes dados e informações solicitados nos vários campos de registo.

Muitas das causas de não conformidades estão ligadas às seguintes situações:

  • Deficiente comunicação;
  • Procedimentos incompletos ou em falta;
  • Deficiente funcionamento ou manutenção dos equipamentos informáticos;
  • Falta de formação e/ou qualificação (competência);
  • Falhas no cumprimento de regras e procedimentos.
Formalização da ação corretiva

A formalização da proposta de ação corretiva assim como a identificação da eventual não conformidade que lhe deu origem é efetuada através do correspondente registo no modelo FORM-11 – Ficha de Não Conformidade / Pedido de ação corretiva / Preventiva / Melhoria Em alternativa, o registo pode ser efetuado diretamente na Base de dados Excel “Registo de Não Conformidades e ações”.

De uma forma geral, a definição duma ação corretiva inclui:

  • Análise dos dados disponíveis;
  • Identificação da não conformidade (elementos: descrição da não conformidade, tipo, identificação do produto / serviço envolvido, local, enquadramento, etc.);
  • Investigação das causas prováveis (origem) da não conformidade detetada (Ver 6.3.2.1);
  • Determinação da ação corretiva necessária e adequada para eliminar / mitigar a causa da não conformidade;
  • Nomeação do responsável pela execução da ação corretiva e pelo cumprimento do prazo de execução estabelecido;
  • Análise e avaliação da eficácia da ação corretiva tomada;
  • Determinação de eventuais não conformidades similares que possam ter ocorrido ou vir a ocorrer;
  • Atualização da matriz de riscos e oportunidades estabelecida na fase de planeamento do sistema de gestão;
  • Informação a enviar ao Gestor da Qualidade (GQ) sobre as ações desenvolvidas.
Validação / aprovação da ação corretiva (3)

As ações corretivas propostas são validadas pelo Gestor da Qualidade (GQ) de forma a se assegurar a adequação da solução proposta e, por conseguinte, a sua posterior eficácia. Ações corretivas que envolvam investimentos ou custos inesperados deverão ser submetidas à apreciação / aprovação da Administração.

O Gestor da Qualidade (GQ) retém o original do pedido de ação corretiva.

Compete ao Gestor da Qualidade (GQ), a numeração dos pedidos de ação corretiva. A numeração é sequencial, para o ano corrente. Exemplo: Pedido nº. 02/18 (= pedido nº.2 do ano 2018).

Implementação da ação corretiva (4)

A execução da ação corretiva determinada compete ao responsável nomeado assim como o cumprimento do respetivo prazo de execução.

O responsável pela execução da ação corretiva deve confirmar a adequação da solução proposta e implementada de forma a se assegurar a sua eficácia.

Controlo das ações corretivas (5)

O Gestor da Qualidade (GQ) mantém em arquivo os pedidos de ação corretiva / preventiva / melhoria e controla o cumprimento dos prazos acordados e a eficácia da ação lançada, com o eventual apoio de outros sectores da IS.RETAIL.

O controlo (seguimento) das ações corretivas / preventivas e de melhoria é assegurado por recurso a uma base de dados informática (ex: ficheiro Excel FORM-27 – Registo de Não Conformidades e ações). O seguimento pode ser igualmente assegurado pela utilização do modelo FORM-13 – Plano de ação.

Nas reuniões de Direção é feito o ponto de situação das ações corretivas, identificando, em especial, as ações corretivas em aberto (isto é, não implementadas nos prazos previstos).

Verificação da implementação / eficácia da ação corretiva (6)

Compete ao Gestor da Qualidade (GQ) a verificação da implementação e da eficácia da ação corretiva. Esta verificação pretende assegurar a adequação da solução implementada e a sua sustentação a longo prazo.

Encerramento da ação corretiva (7)

Após verificação da implementação e da eficácia da ação corretiva deve proceder-se ao seu encerramento formal. Compete ao Gestor da Qualidade (GQ) o encerramento da ação corretiva.

Conforme aplicável, o encerramento é formalizado pelo respetivo registo no FORM-11 – Ficha de não conformidade, na Base de dados Excel FORM-27 – Registo de NC e ações ou no formulário FORM-13 – Plano de ação.

Registos

FORM-11 – Ficha de Não Conformidade / Pedido de ação corretiva / Preventiva / Melhoria

FORM-13 – Plano de ação

Registos efetuados na Base de dados Excel FORM-27 – Registo de Não Conformidades e ações

Registo de alterações

EDIÇÃOCRIADO PORAPROVADO POROBJECTO DA REVISÃO
NomeDataRubrica (*)
1Fernanda DouradoLeopoldo Donati2011-04-23
Versão original.
2Fernanda DouradoLeopoldo Donati2012-05-08
Codificação do FORM-27 – Registo de NC e acções (ficheiro Excel).
3Fernanda DouradoLeopoldo Donati2018-05-01
Revisão geral do documento no âmbito do processo de transição para a norma ISO9001:2015.






(*) Apresentada apenas no documento original (suporte papel).