Será que os Contentores Reutilizáveis são a Chave para o RFID?

Actualmente o Santo Graal da RFID é o retorno do investimento (ROI). E a Reusable Pallet and Container Coalition (RPCC) pensam ter encontrado a solução.

A chave, diz Jeanie Johnson director executivo da RPCC, está na colocação de etiquetas de RFID nas paletes e nos restantes contentores reutilizáveis. A sua organização está a preparar o lançamento de um projecto de pesquisa para testar esta ideia.

“Os testes de RFID que têm sido levados a cabo, ocorreram aplicando etiquetas de RFID a embalagens não reutilizáveis”, afirma Johnson. “Nós acreditamos que este projecto vai demonstrar as embalagens reutilizáveis vão ser o viabilizador da tecnologia RFID”.

O projecto é composto por 3 fases:
1. Trabalhar com uma universidade para testar a durabilidade das etiquetas de RFID
2. Desenvolver um modelo económico para integrar as etiquetas de RFID nas embalagens reutilizáveis
3. Conduzir um ensaio de campo de modo a provar que o conceito funciona nas condições reais de expedição e transporte.

Este texto é uma interpretação livre de um artigo publicado por Staff, a 1 de Julho de 2006 na “Modern Materials Handling”.
Dicas para Encontrar e Resolver Falhas nos Fluxos de Materiais e de Informação

No referido artigo, John Hill afirmava que continuava a ser surpreendido por um número considerável de gestores operacionais, que quando convidados a apresentar uma “fotografia” da situação do stock (inventário) individualizada por local de armazenagem (por palete), não têm essa informação disponível de um modo imediato.
“Uma das primeiras lições que retirei desde que entrei para esta industria de manuseamento de materiais, à trinta anos atrás, foi que a chave para se alcançar melhorias na produtividade, na indústria e na gestão de armazéns, reside na sobreposição rigorosa entre os fluxos de mercadorias e de informação. Isto é, ter a capacidade para capturar e processar, disseminar e usar a informação associada a recepções, movimentos internos, diferenças de inventário, pedidos de execução e expedições à medida que estes eventos ocorrem. Ou, por outras palavras, de cada vez que um artigo se movimenta, a informação relativa à sua identidade, características e localização deve ser actualizada.

Por muito óbvio que isto pareça ser, isto era (e ainda é actualmente) uma grande aspiração para operações cuja tecnologia para a captura de dados consistia em folhas de papel, lápis e walkie-talkies.

Em meados dos anos 70, assistiu-se a um alargamento das ferramentas disponíveis para a captura de dados com a introdução dos leitores de códigos de barras e com transmissão de dados via rádio frequência. Mais recentemente foram introduzidos o reconhecimento de voz e o RFID. Estas ferramentas facilitam a captura de informação dos artigos e em tempo real, criando condições para a sincronização dos fluxos de materiais e de informação.

Como se podem potenciar as capacidades desta ferramentas? O primeiro passo é pegar num conjunto de caixas de diagramas e, cuidadosamente, mapear os fluxos de materiais e de informação separadamente. Coloque um deles numa transparência e sobreponha-o sobre o outro.
Depois de os comparar, sempre que encontra uma discrepância entre eles – isto é, os materiais seguem um percurso e a informação associada não circula ou segue outro caminho – encontra uma oportunidade de melhorar o processo.

Disparidades ou gaps entre os fluxos de material e de informação criam falhas temporais que têm um impacto negativo sobre a fiabilidade do inventário e afectam a utilização de espaço e de trabalho, execução de pedidos e eficiência da expedição. A análise de disparidades não só identifica oportunidades para a utilização de meios de captura automática de dados para fechar gaps, como também revela oportunidades para melhorias adicionais de performance através de pequenas alterações de layouts, fluxos de materiais e processos de armazenamento e de execução.

Este texto é uma interpretação livre de um artigo publicado por John Hill, a 23 de Fevereiro de 2006 na “Modern Materials Handling”.

Mais Recentes

O Alfaiate da Logística

"IS.Retail - O Alfaiate da Logística Têm uma aplicação informática com cerca de 2.000 utilizadores, foram a primeira empresa em Portugal a oferecer ao mercado um software para a gestão de ...
Ler mais

Este é o Momento para Investir num Novo Sistema de Gestão de Armazém

Efectivamente existe um conjunto de boas razões para que as empresas apostem na introdução de melhorias tecnológicas e na melhoria do seu sistema de gestão de armazém, em momentos de ...
Ler mais

WMS: É fundamental para a execução de mercadoria

Visitem 3 centros de distribuição diferentes e provavelmente vão encontrar 3 processos de execução perfeitamente distintos. Se analisarem com atenção vão perceber que as melhores operações têm um elemento em ...
Ler mais