Os SGA (Sistemas Gestão de Armazém) e a Eficiência Logística

É frequente ouvir falar na necessidade das empresas portuguesas introduzirem inovação nos seus processos de negócio, de modo a atingirem valores de produtividade equiparados às referencias Europeias.

Analisando o mundo Logístico, tanto operadores logísticos como a logística própria, a incorporação destas ideias de inovação e eficiência é fundamental, pois genericamente falando, a logística é um elo na cadeia de abastecimento gerador de custos, onde qualquer ineficiência trará repercussões negativas na competitividade das empresas.

A ineficiência na área logística pode permanecer durante longos períodos nas organizações sem ser detectada, ou por falta de atenção da gestão, ou por falta de informação, ou uma combinação dos factores. Não é invulgar encontrar empresas onde não existe uma noção clara e precisa dos custos logísticos, associados à movimentação de uma unidade, desde a sua recepção na plataforma até à entrega no cliente.

O mesmo cenário pode ser encontrado nos sistemas de informação que suportam a actividade logística, onde se percebe que não têm sido considerados nas políticas de investimento das empresas. Ou não é usado qualquer tipo de sistema de gestão de armazém (SGA) ou recorrem intensivamente ao desenvolvimento interno, sobre produtos com mais de uma década de vida. Sem querer iniciar um debate sobre a viabilidade económica do desenvolvimento interno, esta abordagem é limitativa, apesar de criar uma falsa noção de flexibilidade e de independência.

Chegámos então à questão central, de qual o papel que os SGA desempenham no aumento da produtividade na logística, no percurso para se atingir a eficiência. Esta é a questão que mobiliza a equipa da Isretail e uma das razões que nos levou a especializar na gestão logística.

Ser eficiente em logística implica fazer rápido, a baixo custo, sem erros e simultaneamente ser capaz de tratar das excepções e das particularidades de cada produto e cliente. Para obter estes resultados é necessário que o SGA suporte a complexidade operacional, garantindo a fluidez da informação e dos produtos ao longo de toda a operação.

Segundo a nossa experiência um SGA deve actuar em três frentes:

aumentar a velocidade de execução das tarefas, através da optimização do trabalho, via uma distribuição e coordenação automática das diferentes actividades pelos operadores mais adequados.

integrar diferentes tecnologias de comunicação (radio frequência e reconhecimento de voz) e recolha automática de dados (leitores de códigos de barras, RFID), por forma a reduzir a carga administrativa e a garantir a fiabilidade da informação e a rastriabilidade de todo o processo. Isto permite uma redução brutal do nível de erros e obter o controlo sobre a produtividade individual. Este ultimo é fundamental para, em combinação com uma política de remuneração variável, garantir a sustentatibilidade dos ganhos de produtividade.

apresentar a flexibilidade necessária para tratar cada grupo de produtos e/ou clientes, de acordo com as suas particularidades, de modo a entregar o serviço desejado e movimentar cada unidade logística da forma mais económica. Esta flexibilidade é fundamental não só para o presente, como também para assegurar a acomodação do dinamismo do mercado, para que a empresa tenha capacidade de reacção às solicitações propostas.

Resumindo os SGA devem chamar a si o controlo da operação, libertando a equipa de gestão para o planeamento, o desenvolvimento do negócio e a procura incessante de oportunidades de melhoria da performance global da operação, para que a empresa aumente a sua competitividade.

Quando a Isretail propõe a implementação do seu SGA, o WPMS, disponibiliza sempre a sua equipa de consultores, de modo a obter um adequado desenho de processos, e assim tingir os objectivos de alcançar elevados índices de produtividade da equipa de trabalho, atingir um patamar de fiabilidade e rigor nos valores de stock, obter bons níveis de eficiência operacional e aumentar o nível de serviço prestado aos clientes.

Numa imagem, o papel dos SGA para se atingir a eficiência logística pode ser comparado com a influência dos fabricantes nas corridas de F1. Os fabricantes que preparam o carro não garantem as vitórias, mas podem impedir um bom condutor de ganhar as corridas.

Mais Recentes

O Alfaiate da Logística

"IS.Retail - O Alfaiate da Logística Têm uma aplicação informática com cerca de 2.000 utilizadores, foram a primeira empresa em Portugal a oferecer ao mercado um software para a gestão de ...
Ler mais

Este é o Momento para Investir num Novo Sistema de Gestão de Armazém

Efectivamente existe um conjunto de boas razões para que as empresas apostem na introdução de melhorias tecnológicas e na melhoria do seu sistema de gestão de armazém, em momentos de ...
Ler mais

WMS: É fundamental para a execução de mercadoria

Visitem 3 centros de distribuição diferentes e provavelmente vão encontrar 3 processos de execução perfeitamente distintos. Se analisarem com atenção vão perceber que as melhores operações têm um elemento em ...
Ler mais